Luciano Lagoa já participa nas festividades em honra a Senhora das Dores há dois anos. Apesar de consciente da importância da parte lúdica na festa, o pároco sublinhou que o ponto alto são as comemorações litúrgicas, principalmente a procissão de andores.

  A festa de Nossa Senhora das Dores vai ser realizada, pela segunda vez, com Luciano Lagoa, na chefia da paróquia de S. Martinho de Bougado. Em entrevista ao NT, o pároco, revelou a sua opinião sobre as festas deste ano e revelou alguns pormenores sobre a procissão.

Ao contrário do que é habitual, este ano as festas foram organizadas por uma comissão constituída por pessoas de várias aldeias da freguesia, ao invés de ser composta apenas por elementos de uma só aldeia. Sobre isto Luciano  Lagoa revelou que é "especial, visto que toda a paróquia está empenhada, havendo por isso uma motivação complementar pois toda a comunidade se congrega à volta das festividades", apesar de considerar que "se fosse sempre assim seria complicado, porque as pessoas são sempre as mesmas e iam cansar-se".

Luciano Lagoa aproveitou para fazer um apelo às pessoas da freguesia para que "se mobilizem e que diversifiquem para que não sejam sempre as mesmas pessoas a organizarem a festa". No entanto o pároco está convencido que as festividades nunca acabarão, por estarem "tão enraizada na vida dos trofenses" e se caso não se realizassem. A cidade "estaria um ano de luto".

Já os preparativos para a procissão estão a correr "bem", dentro daquilo que é "habitual todos os anos". O pároco confessou que as festividades litúrgicas são o ponto mais alto da festa, "pois é uma manifestação de fé imponente, demonstrando muito do sentir do povo da Trofa relativamente à sua celebrarmos as suas dores, celebramos também as dores dos homens e mulheres de hoje, que lutam todos os dias para uma vida melhor", referiu.

Para a procissão estarão presentes cerca de 500 pessoas, entre figurantes e pessoas responsáveis por transportar os andores. "De certo modo, na procissão, há uma espécie de comunhão entre aquilo que sente a humanidade e o que Deus vem trazer como novidade. O Senhor está connosco em todos os aspectos, até neste tão humano como é o sofrimento, para torná-lo redentor e fazer com que a pessoa não desanime, chegando a uma maior dignidade e vivência da sua vida enquanto ser humano".

O carácter lúdico da festa também não deixa de ser "interessante enquanto espaço de convívio e de confraternização entre as pessoas. Todos esses aspectos, na minha perspectiva, devem ser preservados e incentivados", asseverou.

Casa Paroquial aberta para visitas

O Centro Paroquial Pastoral da Igreja Matriz, antiga Casa Paroquial, estará aberto no próximo domingo, dia 19 de Agosto, para todos os interessados em verificar o desenvolvimento das obras de restauro, que o edifício está a sofrer.

Haverá uma pequena recepção para as pessoas, que poderão ver como estão, actualmente, as instalações.

O renovado espaço terá um atendimento "por excelência aos paroquianos", com escritórios, salas para reuniões de jovens, e um salão, onde é pretendido um pequeno auditório para espectáculos, que possam congregar cerca de 100 pessoas.