Os terrenos do Parque Nossa Senhora das Dores voltaram a ser tema, desta vez na Assembleia Municipal da Trofa onde o presidente da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado prometeu "lutar até ao fim para proteger o Património da Freguesia". Já Bernardino Vasconcelos presidente da autarquia esclareceu que "ainda nada está definido pois o arquitecto Souto Moura está ainda a fazer um esboço", reiterando que "antes de decidir vai ouvir a população".

   Na última reunião da Assembleia Municipal da Trofa o ponto forte da discussão no período antes da ordem do dia e no período de intervenção do público, foi a temática dos Paços do Concelho à semelhança do que tinha acontecido na Assembleia de Freguesia de S.Martinho de Bougado.

O momento mais quente da noite que "arrancou" aplausos ao público presente na sala foi o protagonizado por José Sá que "acusou a Câmara Municipal de "ignorar a maior junta de freguesia do concelho, deixando no ar que "as cores políticas talvez sejam a explicação" já que a Câmara é PSD e a Junta é PS. O edil foi mais longe classificando de indelicada a forma como a autarquia trata à revelia da Junta os assuntos e garantiu "vou lutar até ao fim para proteger o Património da Freguesia".

Sobre este assunto intervieram ainda João Fernandes e José Luís Moreira do PS, assim como António Barbosa e Modesto Torres do PSD, Paulo Serra e Carlos Martins eleitos nas listas do CDS/PP. Paulo Serra relembrou que "os terrenos do Parque Nossa Senhora das Dores foram doados à Freguesia pelo seu bisavó e acrescentou "sou contra a construção naquele local mas aceito que se faça requalificação do espaço", reiterou.

Na resposta Bernardino Vasconcelos garantiu que "quer dar vida ao Parque Nossa Senhora das Dores, relembrando que o Parque está morto a maior parte do ano".

Já no período de intervenção do público Luís Pinheiro e José Avelino voltaram, à semelhança do que fizeram na Assembleia de S.Martinho de Bougado, a levantar a voz contra a construção nos terrenos da Capela e apelou ao presidente da Câmara que abandone essa ideia pois "a população de S.Martinho, ou uma boa parte dela, está contra a construção neste local, que vai acabar com uma festa que se faz há mais de duas centenas de anos", frisou. José Avelino voltou a tecer duras críticas aos que "tiveram a brilhante ideia de querer construir no único parque que temos na cidade", acrescentando que "se o PSD continuar a insistir nesta ideia, quero ver quem vai ser o banana que vai concorrer pelo partido nas próximas autárquicas".

Nas explicações que deu aos presentes sobre esta temática Vasconcelos afirmou que "vai colocar em discussão publica o projecto, assim que houver pois neste momento nem sequer temos ainda um esboço do que poderá vir a ser aquele local". O edil foi mais longe e garantiu que "há neste momento uma intenção de requalificar aquela zona nobre da cidade através de uma candidatura, que prevê dar vida àquele espaço", acrescentou.

Ainda antes da ordem do dia Manuel Silva propôs à mesa da Assembleia que o período da intervenção do Público passar a decorrer logo no início da Assembleia, evitando assim que os Trofenses tenham de esperar até às duas horas da madrugada, como aconteceu na última sessão, para poderem usar da palavra. O presidente da mesa Daniel Figueiredo colocou a proposta à discussão e ficou definido criar uma comissão para analisar esta proposta.

Quanto ao relatório de Prestação de Contas do Município relativo a 2007 a oposição votou contra. Paulo Queirós do PCP votou contra assim como os 10 elementos da bancada socialista . Magalhães Moreira, líder dos socialistas usou, entre outros argumentos o facto de os alugueres de edifícios serem de valores altíssimos, o que denotam "um erro grave de gestão e nos últimos três anos a autarquia gastou 874 mil euros, qualquer coisa como duzentos mil contos em alugueres", concluiu.