O menino de 8 anos sofre de Leucemia e precisa de quase tudo desde roupas, jogos, brinquedos e artigos para a casa

A vida não tem sido fácil para o pequeno Luís Paulo Figueiredo. Com apenas 8 anos de idade foi-lhe diagnosticada pela segunda vez em três anos Leucemia. Na casa da família que vive apenas com 226 euros mensais falta tudo…menos as contas para pagar…

   O complexo habitacional de Mosteirô, construído pela Câmara Municipal da Trofa para alojar famílias menos favorecidas, serve de tecto a Maria Albertina Figueiredo e aos três filhos, dois dos quais menores. Pelo apartamento T4 a família paga cerca de 124,30 euros por mês de renda, 40 euros de luz, 70 de gás e cerca de 23 euros de água e saneamento. Só nas despesas fixas com a habitação os 226 euros de baixa de Maria Albertina Figueiredo já foram gastos. O filho mais velho, com 21 anos já trabalha, mas o salário mínimo que recebe não chega para ajudar a família porque o irmão de apenas 8 anos de idade sofre desde 2004 de Leucemia aguda, que lhe foi diagnosticada a 29 de Dezembro de 2004, no Instituto Português de Oncologia do Porto, depois de um episodio de "tosse continuada durante duas semanas e recusa alimentar". Depois de muitas horas de tratamento o pequeno Luís Paulo foi dado como curado em 24 de Janeiro de 2007.

Mas o pior acabou mesmo por acontecer e a 3 de Dezembro de 2007 foi-lhe detectada uma recaída "medular de Leucemia" o que obrigou o Luís Paulo a reiniciar os tratamentos de quimioterapia logo no dia seguinte.

Apesar de não poder ir às aulas, o menino é acompanhado em casa e no hospital por uma professora uma vez por semana e por incrível que pareça já frequenta o terceiro ano da Escola EB1 de Cedões, na freguesia de Santiago de Bougado. No ano passado a escola lançou uma campanha para recolha de donativos para a compra de um computador portátil para que as dezenas, para não dizer centenas, de horas que passa internado no IPO do Porto não sejam sentidas com tanta intensidade. A empresa Eurico Ferreira soube da campanha e ofereceu o computador e com os fundos recolhidos na escola foi oferecida à família uma máquina de secar roupa que Maria Albertina "poucas vezes usa pois não tenho dinheiro para pagar a luz", garante.

Muito susceptível a infecções o pequeno Luís Paulo não pode retirar a máscara que o acompanha para todo lado e em casa, no que diz respeito à higiene da casa e da roupa, todo o cuidado é pouco. A mãe garante que gasta o que tem e o que não tem "para comprar produtos específicos para limpar e esterilizar a casa" e com a tristeza estampada na cara garante que não recebe ajudas de ninguém. "A Cruz Vermelha já me deu alguns produtos alimentares, mas como a alimentação do Luís tem de ser específica e é muito cara, torna-se muito difícil". Quando lhe perguntamos quais os produtos e bens que fazem falta em casa Maria Albertina foi peremptória" lá em casa falta tudo. Não tenho cortinas nem tapetes pois a facilidade com que o meu filho apanha infecções obriga-me a comprar tecido especial que não possibilite a acumulação de poeiras, mas como esses produtos são caros não os posso comprar", frisou. No quarto do Luís Paulo a cama, já com algumas dezenas de anos, já está partida. "Qualquer dia tenho que dormir no chão" brincou o menino que adora jogos de computador e futebol e que apesar da tenra idade até já sabe que o Trofense vai jogar com o Porto, o Benfica e o Sporting.

Além disso "a casa não tem mobília, e até há bem pouco tempo os dois irmãos mais velhos do Luís nem sequer tinham uma cama para dormir e os sofás estão tão velhos", afirmou Maria Albertina.

Apesar de ter já batido a algumas portas, "inclusive à Segurança Social, até agora não recebeu ajuda e nem tão pouco foi contemplada com o rendimento mínimo", que foi requerido em Dezembro de 2007 mas até agora ainda não obteve resposta.

Quase diariamente Maria Albertina tem de levar o filho aos tratamentos ao IPO do Porto, esperar até que estes estejam concluídos para trazer de novo o pequeno Luís para casa, o que a impede de ir trabalhar.

O pequeno Luís Paulo precisa de roupas, calçado, e gostava de poder ter internet em casa para poder passar melhor o tempo porque "já viu os DVD's e filmes todos que algumas pessoas lhe emprestaram", frisou o menino.

"A minha filha tem 16 anos, estuda no 9ºano de escolaridade e para comprar umas sapatilhas teve de juntar as prendas de Natal, da Páscoa e do aniversário que a madrinha lhe deu", frisou Maria Albertina.

Quando fui viver para a habitação que a Câmara me alugou precisei comprar de um fogão que estou a pagar em prestações, assim como estou a pagar aos bocadinhos o contador da água".

"Para comprar uma camisolinha nova para o Luís, tive que fazer muita ginástica, a roupa dele é toda dada mas devido ao problema de saúde, a roupa tem de ser esterilizada convenientemente", assegurou.

A alegria e inteligência desta criança salta à vista e é confirmada quando por entre sorrisos o pequeno Luís garante que as disciplinas "que mais gosto são a Matemática e Estudo do Meio", acrescentando que adora fazer contas de cabeça.

Para ajudar o pequeno Luís Paulo a ter os bens essenciais para viver com dignidade pode contactar com o jornal O Notícias da Trofa através do nº 252 414 714 ou pode fazer um donativo através de um depósito na conta de Luís Paulo Silva Figueiredo, na agência do Montepio Geral da Trofa na conta com o NIB: 0036 0068 9910004576148.