Jos-Ferreira  

José Ferreira candidata-se pelo PS a S. Mamede do Coronado para “devolver dignidade” à freguesia

O Notícias da Trofa: O que o leva a candidatar-se à Assembleia de Freguesia?

José Ferreira: Em 12 anos a nossa freguesia ficou completamente para trás, quando comparada com o que se passa nas freguesias vizinhas. Exemplo disso, uma criança que tenha hoje 12 anos de idade, não tem uma única recordação de ter brincado num parque infantil na nossa freguesia. Por amor a S. Mamede, terra onde sempre vivi, sinto-me na obrigação de me apresentar como uma alternativa de confiança, diálogo e trabalho.

NT: Quais são os projectos que vai apresentar para o mandato?

JF: Alguns deles são os mesmos de há quatro anos, o que demonstra o marasmo e a apatia à qual esta Junta de Freguesia se viu entregue nestes últimos anos. Refiro-me concretamente a algumas obras de extrema importância para S. Mamede, tais como a casa mortuária, a conclusão das obras no cemitério, a criação de parques infantis, o museu/oficina de arte sacra, a cobertura de toda a freguesia da rede de saneamento básico e abastecimento de água.

NT: Qual é o projecto/área prioritário(a) caso seja eleito?

JF: A construção da casa mortuária que a nossa freguesia reclama há muitos anos, a conclusão das obras do cemitério e cobrir toda a freguesia com abastecimento de água e saneamento. O actual Presidente de Junta tem outras prioridades que eu e todos os mamedenses gostaríamos de saber quais. Será que é mais importante iniciar a construção de “meio passeio” na Rua Vale do Coronado e o lançamento da primeira pedra de uma obra que já deveria estar concluída (arranjo urbanístico do largo de Vilar de Lila). Todas as obras iniciadas por este executivo, nos últimos 12 anos, nenhuma delas está devidamente concluída. Além disso, dar início desenfreado a algumas obras à porta das eleições só demonstra duas coisas: a falta de seriedade, de projectos estruturados e de conhecimento das prioridades da freguesia. E com este desespero de querer apresentar obra está a comprometer seriamente as finanças da nossa freguesia para o futuro executivo.

NT: Por que é que os eleitores devem votar em si?

JS: Os mamedenses sabem que podem confiar em mim. Sempre me envolvi em diversos projectos ao serviço da comunidade e as pessoas conhecem bem a minha determinação. Durante os últimos quatro anos segui de perto a actividade deste executivo, marcando presença nas assembleias de freguesia, conheço bem a realidade da nossa comunidade, as suas carências e anseios. Com toda a minha energia e capacidade de trabalho, juntamente com a minha equipa sinto-me mais do que preparado, e sobretudo muito motivado, para devolver a esta nossa freguesia a dignidade e qualidade de vida que ela merece.

NT: Considera mais fácil governar sendo a Câmara e a Junta do mesmo partido político? Porquê?

JF: É mais fácil governar quando todas as entidades envolvidas na tomada das decisões estão embuídas do mesmo espírito, que deve ser sempre o de servir as pessoas. É com esse espírito que sempre estarei na Junta de S. Mamede. É claro que não vou esconder que prefiro trabalhar com uma Câmara que seja governada pelas pessoas do meu partido, isto porque as conheço bem, porque são de uma competência inquestionável e, mormente porque partilham da mesma energia e desejo de mudança que nós em S. Mamede. Não obstante, sou uma pessoa que sabe viver em democracia e respeitar as diferenças ideológicas que possam advir. Qualquer que seja o partido na Câmara, da minha parte haverá sempre total abertura e disponibilidade para levar a efeito aquilo que são a defesa dos interesses da freguesia de S. Mamede e de todos os mamedenses!