A obra de requalificação dos Parques Nossa Senhora das Dores e Dr. Lima Carneiro, que deveria estar pronta há meses, continua por acabar e os atrasos na empreitada, que a Câmara justifica com erros de projeto que tem sido necessário corrigir, faz com que este ano as Festas em Honra de Nossa Senhora das Dores não se realizem nos Parques.

As obras, contestadas por uns e valorizada por outros, têm feito correr muita tinta e diariamente muitos são os que passam horas a contemplar o andamento dos trabalhos.

Alvo de críticas, o projeto foi iniciado pelo executivo liderado por Bernardino Vasconcelos, sofreu alterações profundas durante a presidência de Joana Lima e nunca foi consensual. Uns criticavam o abate das árvores, outros a demolição dos coretos, outros ainda garantiam que a obra nunca se iniciaria.

O NT foi para a rua ouvir os trofenses sobre o que acham da obra que acabou com o buraco que separava os dois Parques e que deverá ser inaugurada nos próximos meses.

 

José Ferreira


“A obra está muito demorada. Temos as festas de Nossa Senhora das Dores e está muito atrasada. Ou as pessoas não trabalharam ou então não sei. Devia andar mais pessoal, uma vez que o prazo da obra foi prolongado mais do que uma vez.
Penso que vai ficar muito bonita. Às vezes, vale a pena sofrermos um bocadinho com o pó, o barulho e com cortes de estradas. Espero que a rotunda funcione, ela foi corrigida três vezes, espero que à quarta fique em condições. Penso que está um bocadinho estreita e que os camiões vão passar por cima do passeio ou da guia”.

 

Alberto Sousa


“Tem muita coisa que está errada nesta obra. Os carreiros que estão feitos deviam ser avenidas largas e estão estreitas, assim como a entrada para o parque de estacionamento. A rotunda do Catulo está mal, porque devia estar mais larga. Tem muita coisa que está mal e o presidente (da Câmara) disse que se vai remendar. Fazer é agora não é mais tarde. (Quanto a pontos positivos) a estrada no centro da cidade está boa. Eu sou a favor da obra, mas que podia estar melhor, podia”.

 

Manuel Santos

“Não sei como é que o metro vai chegar, se cobriram o canal todo. Têm de dar uma solução à nova regra de trânsito que proíbe os condutores de virar à esquerda (na Rua Guerra Junqueiro – junto à Pantir – para a EN14). As pessoas não estão a respeitar, porque estavam habituadas a virar”.

 

Abílio Simões

“Ao tirar aquela rua de acesso à capela (junto à rotunda), tiraram tudo. Agora, gostava de saber onde é a entrada para a procissão e para os andores para a capela. Quanto a pontos positivos, plantaram árvores, pensei que iam abater mais árvores e não deitaram abaixo assim tantas. Não fui a favor desta obra de unir os parques. O parque estava bem como estava”.

 

Olívia Portela

“A obra está muito bonita, mas a capela da Senhora das Dores ficou muito tapada (do lado do Centro Comercial D. Pedro V)”.