quant
Fique ligado

jonati

Noticias

O que deve saber para pedir um crédito pessoal 100% online?

A tão falada transição digital chegou aos pedidos de crédito pessoal. À semelhança do que vem acontecendo com muitos outros domínios da nossa vida, de que são exemplos as compras de roupa e eletrodomésticos ou até a renovação do Cartão de Cidadão, já é possível fazer um pedido de crédito pessoal 100% online e usufruir do financiamento sem ter que se deslocar a uma agência bancária.

Publicado

em

A tão falada transição digital chegou aos pedidos de crédito pessoal. À semelhança do que vem acontecendo com muitos outros domínios da nossa vida, de que são exemplos as compras de roupa e eletrodomésticos ou até a renovação do Cartão de Cidadão, já é possível fazer um pedido de crédito pessoal 100% online e usufruir do financiamento sem ter que se deslocar a uma agência bancária.

Apesar de o mundo digital aparecer como algo complexo, a verdade é que o processo de pedir um crédito pessoal online é mais simples e rápido do que aquilo que possa pensar.

Se não acredita, siga-nos neste périplo e fique a saber tudo o que precisa para contratualizar esta ferramenta de financiamento.

Crédito pessoal 100% online: tudo o que precisa de saber

Procurar um banco/instituição de crédito online

Como é fácil de compreender, o primeiro passo a dar é pesquisar no motor de busca Google por “crédito pessoal 100% online” e começar as ver as condições que os diversos bancos e instituições financeiras de crédito online oferecem.

Se o link onde clicar não o enviar diretamente para a página de crédito pessoal, algo que acontece na maior parte dos casos, procure no site da instituição bancária por ela. Normalmente esta procura é bastante fácil e rápida.

Assim que entra na página de crédito pessoal online, ser-lhe-á oferecido um simulador de crédito pessoal onde vai poder calcular um pedido de financiamento para o montante e prazos que tenciona pedir.

Por norma, os valores de crédito pessoal online variam entre os 200€ e 75.000€ com prazos de pagamento que oscilam entre os 6 e os 84 meses.

Publicidade

Além do valor do financiamento e do prazo de reembolso, através deste simulador é, ainda, possível ficar a saber qual a TAEG (Taxa Anual de Encargos Efetiva Global) e a TAN (Taxa Anual Nominal) que serão aplicadas ao valor pedido e qual será o montante total (MTIC – Montante Total Imputado ao Consumidor) em que terá que reembolsar a instituição para o prazo que escolheu.

Contratualização e documentos necessários

Caso a simulação que efetuou vá ao encontro das suas necessidades em termos de montantes e prazos, basta-lhe carregar no botão “Aderir Já” que normalmente acompanha o simulador e começar o processo de contratualização do seu crédito pessoal online.

Este processo começa com o preenchimento de um formulário online onde deverá inserir os seus dados pessoais e os documentos solicitados de modo a finalizar o seu pedido de crédito.

Caso se esteja a perguntar que documentos lhe serão requeridos, por norma, as instituições de crédito pedem:

  • Cartão de Cidadão;
  • Última declaração de IRS;
  • Últimos 3 recibos de vencimento;
  • Comprovativo de morada;
  • Comprovativo de NIB/IBAN.

Como se percebe, a burocracia envolvida neste pedido online é menor do que nas contratualizações normais bastando-lhe, após reunir os documentos necessários, digitalizar os mesmos e anexá-los ao pedido de crédito para finalizar o seu pedido de crédito.

Prazos de resposta

O crédito pessoal online é mais rápido do que um “tradicional” pedido de crédito num balcão físico sendo que, na maior parte dos casos, o prazo de resposta à sua solicitação é de entre 24 e 48 horas e, uma vez validado, o montante é depositado na sua conta até dois dias úteis depois.

Exemplo prático

Se, depois das nossas explicações, ainda resistem algumas dúvidas, vamos dar-lhe um exemplo prático de um pedido de crédito pessoal online.

Publicidade

Quando o mecânico lhe disse que o arranjo do seu carro envolveria valores muito altos para aquilo que a viatura valia no mercado, o Sr. Joaquim começou a deitar contas à vida para comprar um novo, uma vez que o carro é essencial para se dirigir para o trabalho.

Como a sua carteira não colaborava para a satisfação desta sua necessidade premente, o nosso personagem decidiu verificar quais as condições que as diversas soluções de crédito pessoal no mercado português ofereciam.

Sem carro para se deslocar a um balcão físico de um banco e com pouco tempo a perder em filas, o Sr. Joaquim optou por pedir que o seu filho João, mais à vontade com as tecnologias digitais, fizesse uma pesquisa online por créditos pessoais. Após uma rápida pesquisa, o João para na página de crédito pessoal do UNIBANCO, marca da UNICRE – instituição financeira de crédito.

Tal como referimos anteriormente, ao clicar nesta página, o filho do Sr. Joaquim vai encontrar um simulador de crédito pessoal que lhe permitirá realizar uma simulação (com possibilidade de seguro) para valores entre os €5.000 e os €75.000, bem como optar por prazos de pagamento que oscilam entre 24 e 84 meses.

Interessado naquilo que o seu filho lhe mostra, o nosso personagem decide fazer uma simulação para um pedido de financiamento de 10 mil euros que pretende pagar no mínimo tempo possível, ou seja, 24 meses no caso.

Realizada a simulação, o Sr. Joaquim obtém um valor de mensalidade de 445,46 euros com uma TAEG de 8,6%, TAN de 6,250% e um MTIC de 10867,11 euros.

Agradado com o valor da mensalidade, basta ao nosso personagem clicar na barra “Peça Já” que o reencaminhará par o preenchimento de um pequeno formulário e escolher a opção “100% digital” para finalizar o processo sem sair de casa.

Publicidade

Para além do preenchimento do formulário, ser-lhe-á ainda pedido que introduza os documentos necessários, valide a sua identidade e assine com um código SMS que será enviado para o seu telemóvel. Depois destas etapas concluídas, o Sr. Joaquim já pode ir escolhendo o carro que pretende adquirir, uma vez que, depois de o crédito pessoal aprovado, terá o dinheiro que pediu na sua conta bancária num par de dias.

Tudo isto sem sair de casa.

Continuar a ler...

Falecimentos

Falecimento de Maria Adelaide Gonçalves Moreira

Faleceu com 94 anos, Maria Adelaide Gonçalves Moreira, residente na Rua da Biqueira (Casal) – Coronado (São Mamede), Trofa

Publicado

em

Faleceu com 94 anos, Maria Adelaide Gonçalves Moreira, residente na Rua da Biqueira (Casal) – Coronado (São Mamede), Trofa.

Dados sobre as cerimónias fúnebres:

Cemitério: 

Coronado (São Mamede), Trofa

Velório: 

Sexta Feira, dia 03/02/2023 a partir das 17:00 h, Igreja Paroquial – Coronado (São Mamede), Trofa

Funeral: 

Sábado, dia 04/02/2023 pelas 11:00 h, Igreja Paroquial – Coronado (São Mamede), Trofa

Missa 7º Dia: 

Sábado, dia 11/02/2023 pelas 17:30 h, Igreja Paroquial – Coronado (São Mamede), Trofa

Publicidade
Continuar a ler...

Edição 782

Linha do Equilíbrio: Ser mulher, hoje!

Necessitamos de ensinar às nossas crianças o respeito pelo outro; que não existem brinquedos de meninas ou de meninos; que nem sempre é o príncipe que salva a princesa, pode ser a princesa a salvar-se a si própria

Publicado

em

Contam-se histórias infantis com expressões como “Espelho, espelho meu, existe alguém mais belo do que eu?” ou “Quem quer casar com a carochinha que é tão bela e formosinha” e, sem refletirmos, replicamos para os nossos filhos, fazendo tradição oral.

Se na primeira expressão a imagem refletida no espelho conduz à obsessão de busca pela beleza, na segunda invoca o conceito de mulher como dona de casa, esposa e mãe. Em ambos os casos, temos a Mulher (o “ser Mulher”) no centro da equação, com padrões estereotipados para a sua identidade.

A atualidade tem sido marcada por um “quebrar” de preconceitos e tabus que estão acomodados na sociedade há centenas ou, até mesmo, milhares de anos!

Particularmente, na sociedade ocidental a Mulher passou a ocupar um lugar de destaque igual aos homens, participando em várias áreas e assumindo o papel de decisoras. São exemplos a integração quase plena em todas as áreas do mercado de trabalho ou em cargos políticos. Tal exposição passou a exigir mais da Mulher, pois acrescentou à sua tradicional função de maternidade e de presença na retaguarda da família a de ativa e determinante na sociedade, com as multitarefas que se propõe desempenhar. Esta maior amplitude de ação, em mulheres especialmente superativas, poderá conduzi-las a problemas de autoestima e, em casos mais avançados, enfrentarem o já tão divulgado burnout.

Nesta avalanche cultural tem-se igualmente imposto mais à Mulher! A ideia de busca por um corpo perfeito (mesmo sendo natural uma maior obesidade pelas fases hormonais) que leva à perceção que apenas podem ser felizes com as “curvas perfeitas”. Este conceito de beleza está em permanente mutação, pelas “leis” das indústrias da beleza e da moda, com tendências de produtos ou roupa, onde se vendem padrões dificilmente tangíveis. Por outro lado, as autoimposições alimentares, com muitas distorções de comportamentos (obsessivos e compulsivos), de que é exemplo o pesar dos alimentos que, em muitos casos, são passos em direção a doenças como a bulimia ou a anorexia.

Quer a escravidão do espelho/da imagem, quer a “obrigação” de permanente atividade, tendem a condicionar algumas Mulheres a perder o prazer de viver, entrando em desânimo, em consequência da insatisfação com a sua imagem, com a sua forma física, aprisionando-se em dietas restritivas que poderão conduzir a uma autorrejeição, ao isolamento ou a perturbações psicológicas.

O que podemos nós fazer para proteger quem amamos deste sofrimento?

Necessitamos de ensinar às nossas crianças o respeito pelo outro; que não existem brinquedos de meninas ou de meninos; que nem sempre é o príncipe que salva a princesa, pode ser a princesa a salvar-se a si própria; que a “carochinha” pode com o seu dinheiro querer fazer outras coisas que lhe proporcionem prazer; que a beleza não está apenas refletida no espelho, mas nas ações e, principalmente, a aceitarem-se como realmente são.

Publicidade

Desde cedo, devemos incutir nos nossos filhos o culto de “ser versus parecer”, ou seja, valorizarem as suas atitudes, valores e competências em detrimento da imagem que a indústria da beleza tende a preconizar como a ideal. No mesmo seguimento, devemos ensinar e demonstrar com atos e atitudes que ser Mulher significa esta ser e escolher o que quiser, sem restrições nem obrigações.

Torna-se fundamental educar as crianças de uma forma livre, longe dos padrões estereotipados e mais próximas da sua verdadeira natureza.

sandramaia.psicologa@linhadoequilibrio.pt

Foto

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Pode ler também...

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);