Um dos maiores produtores de mel a nível nacional encontra-se na Trofa, mais precisamente em S. Mamede do Coronado. Mel com diferentes sabores, produtos de cosmética e equipamentos para a prática de apicultura são alguns dos produtos fabricados neste espaço.

Pode dizer-se que S. Mamede do Coronado é uma freguesia doce. Pelo menos a julgar pela quantidade de mel que é produzida anualmente pelas abelhas que recolhem o néctar naquela freguesia. Cosmética natural, mel de diferentes sabores e proveniências, equipamentos de protecção e colmeias térmicas são alguns dos produtos que se podem encontrar na Apisantos, uma empresa de produção de mel sediada no concelho trofense.

A empresa nasceu em 1978 pelas mãos do pai de Artur Santos. “Como os apiários (tribo de insectos a que pertence a abelha) estavam nesta zona de S. Mamede e S. Romão do Coronado, tínhamos de nos deslocar para cá, do Porto para fazer a manutenção e a assistência às colmeias. Devido aos encargos altos das deslocações procurámos um local para poder instalar a empresa”, explicou. A fábrica surgiu em 2005, onde actualmente se insere a Unidade Industrial de Extracção, Filtragem e Embalamento de mel, numa Melaria Tradicional Licenciada localizada na Rua de Mendões, em S. Mamede do Coronado, numa zona pouco habitada.

À entrada, apenas um sinal que alerta para o perigo da existência de abelhas nas proximidades denuncia a natureza da empresa. O gerente, Artur Santos, garante que “pouca gente conhece o local” e apenas os vizinhos já lhe batem à porta para poder “comprar mel, rebuçados e cosmética”, que são os produtos com “mais procura”.

Com 700 colmeias a funcionar, em S. Mamede do Coronado contam-se 40 repletas de abelhas e cerca de 300 espalhadas pelos distritos do Porto e Braga, principalmente em zonas protegidas, leitos baixos, virados a sul, com boa incidência de sol e desviadas de zonas poluentes.

Em S. Mamede do Coronado, as abelhas produzem essencialmente o mel de eucalipto e multifloral, recolhido a partir de várias flores. Mas o NT/TrofaTv foi saber mais sobre o trabalho desenvolvido por estes insectos. “Para a abelha produzir a quantidade suficiente de mel temos de a tratar bem. Arranjamos-lhe uma boa casa, fazemos a manutenção das ceras, damos a alimentação no Inverno, quando elas estão muito débeis, e fazemos o tratamento das doenças que é possível. Com uma boa colmeia, boa cera e trabalhando com umas boas rainhas seleccionadas, as abelhas começam a produzir bastante mel”, explicou Artur Santos.

A apicultura é sazonal, por isso, as seis pessoas que trabalham nesta empresa, que ainda conta com a ajuda do fundador, José Santos, disponibilizam outro tipo de serviços. “A produção de mel é na Primavera, depois no Verão faz-se a colheita e no Inverno a venda. Como a produção do mel não dava para toda a época começamos a produzir materiais e roupa para termos um trabalho contínuo”, adiantou.

Nos tempos que correm, o conhecido néctar é produzido para agradar a todos os clientes, mesmo àqueles que não gostam de mel. “Temos a cosmética, os rebuçados, os produtos gourmet como o mel com frutos secos, fruta natural, mel com concentrado de frutos, canela, geleia real, propólis e estamos a tentar lançar licores e vinagre”, afirmou.

Produzindo só para vender em Portugal, Artur Santos diz não ter lojas na Trofa a vender o seu produto, que apenas pode ser encontrado na fábrica, ou então em lojas de produtos gourmet, na área das grandes cidades, como Porto, Lisboa, Braga, Coimbra e Aveiro.