A Metro do Porto não incluiu a extensão da Linha Verde até à Trofa no Plano de Actividades para 2011. Joana Lima afirmou que a população “foi, mais uma vez, enganada” e diz-se “desiludida”.

O projecto do Metro para a Trofa teve um novo revés. Para além de não receber qualquer verba no PIDDAC (Plano de Investimentos e Despesa de Desenvolvimento da Administração Central) para 2011, a obra para a extensão da Linha Verde entre o ISMAI e a Trofa também não foi inscrita no Plano de Actividades da Metro do Porto (MP) para o próximo ano, à semelhança do que aconteceu em 2010.

Segundo o jornal Público, a razão para deixar a empreitada fora das intenções de investimento da MP é a limitação ao aumento do endividamento que o Plano de Estabilidade e Crescimento (PEC) impôs a todas as empresas públicas do país. Ao suspender o concurso para a obra, a MP evita ter que recorrer à banca para angariar os cerca de 140 milhões de euros necessários para o projecto. Mesmo assim, tudo indica que a empresa não irá cumprir a imposição do PEC de não aumentar em mais seis por cento o endividamento, já que durante o próximo ano deverá receber as facturas das obras em curso: a extensão entre o Estádio do Dragão e Fânzeres, Gondomar (97,5 milhões de euros) e o prolongamento da Linha Amarela até Santo Ovídio, em Gaia (31 milhões). Prevê-se então que a situação da MP, que já é preocupante, piore nos próximos meses, o que poderá levantar mais incertezas quanto à vinda do metro, uma obra tão desejada pelos trofenses, que ficaram privados do comboio no antigo canal em via simples.

Veja a reportagem alargada na edição em papel do NT, já nas bancas, ou faça a assinatura online para ver a edição em formato digital no site, por apenas 15 euros por ano.