quant
Fique ligado

Ano 2012

O bife e a verborreia estéril

Publicado

em

As mulheres e os homens deste País – que têm uma preocupação constante com os mais desfavorecidos, que praticam a solidariedade real, que não brincam à caridadezinha, que trabalham em prol do seu semelhante -, conhecem muito bem o trabalho altamente meritório, que o Banco Alimentar Contra a Fome tem desenvolvido nas duas últimas décadas. Um trabalho de voluntariado exemplar, que devia merecer aplausos de todos.

Em tempos de grave crise social, em que 42% dos portugueses seriam pobres se não existisse as transferências sociais e um milhão de portugueses vive com menos de 280 euros por mês, é de lamentar a campanha bem orquestrada, colocando em risco a próxima campanha do Banco Alimentar para angariar alimentos junto de estabelecimentos comerciais, como tem sido habitual em anos anteriores, e depois serem distribuídos pelos mais necessitados. 

Este trabalho, do Banco Alimentar, mais que meritório, não é uma caridadezinha, mas um acudir aos mais necessitados; é uma emergência social, que precisa de ter alguém a comandar esta grande Nau. E que bem tem sido comandada! Talvez por isso, este vil ataque para denegrir a imagem da economista Isabel Jonet, que exerce a presidência do Banco Alimentar em regime de voluntariado há muitos anos. Muito tempo “roubado” à família para “dar” aos mais necessitados. Bem-haja Isabel Jonet. Com um percurso na área da solidariedade em Portugal e na Europa, que faz muita inveja aos seus detratores, Isabel Jonet conseguiu, com a sua pequena declaração sobre o estado do País, provocar a ira de quem agora questiona a sua liderança naquela instituição – que, recorde-se, fornece alimentos a muitas organizações de solidariedade social.

Dizer a verdade, pode causar engulhos e foi o que aconteceu: Isabel Jonet alertou contra o desperdício e criticou a maneira de estar dos portugueses face ao consumo afirmando que grande parte da população viveu muitos anos acima das reais possibilidades e que os portugueses vão ter que aprender a viver com menos. Manifestou a sua convicção de que algo tinha de mudar na forma como os portugueses vivem. Ao aprofundar mais o seu pensamento sobre a situação atual, disse que os portugueses vão ter que aprender a viver mais pobres, pois vivíamos muito acima das possibilidades e estamos a empobrecer realmente. Afirmou também: “Nós vivemos de uma maneira completamente idiota”, dando dois exemplos: não há capacidade económica para comer bife todos os dias e antigamente as pessoas lavavam os dentes com a água no copo e agora, o mesmo é feito com a água a correr. “Há toda uma reaprendizagem de vida que, ou vamos a um concerto de rock ou podemos ir tirar uma radiografia quando caímos numa aula de ginástica”, concluiu Isabel Jonet. 

A verdade é que Isabel Jonet já sublinhava, numa entrevista em 2006, que os bancos alimentares contra a fome, existem para lutar contra o desperdício. E foi contra esse desperdício que ela se referiu, quando afirmou que devemos lavar os dentes com um copo de água e não com a torneira da água a correr e que nem todos os dias podemos ter bifes na mesa. Como é que um bife pode originar tanta verborreia estéril?

Não todos, mas muitos dos que verbalizaram o seu horror perante estas afirmações, regem-se pela máxima: cada um na sua e ninguém na de ninguém, pois nunca travaram um combate à pobreza, nunca deram um passo em direção do seu semelhante que tem o estômago vazio e muito menos trabalharam voluntariamente em prol dos mais necessitados. 

Na próxima campanha do Banco Alimentar Contra a Fome os portugueses vão dar uma resposta positiva, como sempre o fizeram. Vão contribuir dentro das suas possibilidades e com esse gesto, vão fazer calar aqueles que são do contra, mas não sabem do que são a favor.

 

Publicidade

José Maria Moreira da Silva

moreira.da.silva@sapo.pt

www.moreiradasilva.pt

 {fcomment}

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Ano 2012

Verbas da Câmara para as obras da Junta tema da Assembleia

Publicado

em

Por

Na sessão ordinária de dezembro da Assembleia de Freguesia de S. Romão foram aprovados o Plano de Atividades e Orçamento para 2013.
Informação sobre a reunião do executivo e membros da Assembleia de Freguesia com Joana Lima sobre as “transferências deliberadas em maio de 2009 e destinadas à remodelação da Casa Quinta de S. Romão” provocou divergências.

(mais…)

Continuar a ler...

Ano 2012

Assembleia de S. Mamede – Documentos previsionais aprovados com abstenção do PSD

Publicado

em

Por

Na sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de S. Mamede do Coronado foram aprovadas, com a abstenção do PSD, as propostas para o Plano de Atividades, PPI, Orçamento e Mapa de Pessoal para 2013.

O Plano de Atividades, o Plano Plurianual de Investimentos (PPI), Orçamento e Mapa de Pessoal para 2013 estiveram em discussão na última Assembleia de Freguesia de S. Mamede do Coronado, que decorreu na quinta-feira, dia 20 de dezembro.

(mais…)

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também