Comunidade. Esta foi a palavra mais repetida por Nuno Moreira na apresentação da candidatura à União de Freguesias de Alvarelhos e Guidões, na tarde de domingo, 25 de julho.

Pela segunda vez a correr àquela Junta pelo Partido Socialista, o candidato acredita estar habilitado, “na liderança da equipa” que o acompanha, a “construir e gerir um território mais capaz de dar resposta às necessidades de todos os alvarelhenses e guidoenses”.
“Após uma vida de dedicação a diferentes causas desta comunidade e de aqui ter desenvolvido os meus negócios e o meu trabalho, sinto a necessidade permanente de devolver a esta população tudo o que ela me deu e assim ser parte de uma comunidade melhor. E porque, por fim, nada me faz mais feliz do que servir a minha terra”, começou por dizer o militante socialista, que começou por se apresentar em Alvarelhos, junto à sede de Junta, seguindo depois para Guidões.
Para depois expor algumas situações que “sustentam” o sentimento de que, naquelas localidades, “é preciso fazer mais e melhor”.
“Quando um conterrâneo não encontra um transporte público na sua freguesia para ir trabalhar, é porque ainda nos falta fazer algo. Quando algum freguês vê o seu pai acamado e tem muita dificuldade em adquirir uma cama articulada ou serviços de enfermagem é porque nos falta fazer mais como comunidade. Quando um grupo de reformados não encontra um espaço nem condições para se reunir para viverem a sua reforma acompanhados com atividade, é porque o nosso trabalho ainda não está feito”.

As propostas vieram a seguir, pela voz de Amadeu Dias, candidato do PS à Câmara Municipal, para expandir o hipotético alcance do programa eleitoral aos órgãos autárquicos: “serviço de transporte a pedido”, para responder às necessidades da população que não tem meios para se deslocar, “principalmente os mais velhos”; criação de uma “sede de Junta digna” em Guidões; reforço da “limpeza dos espaços públicos” da freguesia” e requalificação dos parques desportivos.
E porque “sempre” defendeu a “ideia de proximidade”, Nuno Moreira não esquece a luta que “abraçou” pela desagregação das freguesias. Esta é, sem surpresa, uma das bandeiras da candidatura do socialista: “Foi o PSD, na Trofa e no país, que consumou a agregação das freguesias de Alvarelhos e Guidões e agora é o PS, na Trofa e no país, que se prepara para restituir as freguesias aos seus cidadãos. Depois de nove anos de luta, estamos prestes a ganhar esta batalha. Estarei preparado, com tranquilidade, coerência e rigor, para devolver as freguesias de Alvarelhos e Guidões aos respetivos fregueses, em nome da proximidade e de um serviço melhor aos cidadãos”, assinalou.
E numa demonstração de que “a proximidade não se faz só de palavras, mas também de atos concretos”, Nuno Moreira assegurou que, caso seja eleito, não aceitará “remuneração a tempo inteiro”. “Pouparei esse salário ao orçamento da Junta, mesmo sendo o vosso presidente de junta durante 24 horas por dia, durante todos os dias durante os próximos quatro anos”, garantiu aos eleitores.