quant
Fique ligado

Edição 747

Escrita com Norte: O peso do tempo e o preço da idade

Publicado

em

Quando pego no meu álbum de fotografias, se começar a abri-lo pelo início, pois tenho o hábito de abrir o jornal “O Jogo” pelo fim, encontro duas fotografias com três meses de idade, seguidas de outras duas já com seis.
Convém recordar que tenho quarenta e sete anos e que no ano de 1974 ter nos primeiros seis meses de vida quatro fotografias era uma extravagância e havia quem dissesse que me estavam a estragar com mimos!
Não me recordo de com três meses desejar ter seis, mas lembro-me perfeitamente de em criança os ponteiros pararem e o tempo não passar, e de 24 horas dos meus seis anos terem a duração de três dias dos meus “quarentas”.
Na primária, o tempo chegou a arrastar-se para trás, fruto de uma paixão correspondida, e sentia que o dia de casar com a Carlinha (sim, ela prometeu-me a meio da 1ª classe) estava à distância do “além”, numa altura em que tudo o que era para amanhã era sempre distante demais!
Impaciente, aos treze anos queria ter dezasseis, para parecer crescido (!), e aos dezasseis queria ter dezoito, para ter a carta. Nunca estava bem com a idade que tinha, mas lembro-me de pensar “ No ano 2000 vou ter vinte e seis anos. Que velho!”
Não me senti velho quando lá cheguei, coabitando, por vezes, o mesmo espaço com os adolescentes, mas diferente deles, no ritmo e também nas lamúrias, eles praguejando que o tempo não passava e eu a dar por mim a dizer “O tempo corre!”
E correu até aos trinta!
E aos trinta lembrei-me dos meus dezassete. E dos meus dezassete lembrei-me de um certo sábado à tarde, em que encontrei um amigo destroçado, a quem delicadamente perguntei:

  • Estás todo lixado, Fernando! O que se passa?
  • Faço trinta anos. – respondeu-me.
    Com carinho, consolo-o:
  • Deixa lá, eu tenho dezassete!
    E ele chorou, virou costas, foi-se embora e nunca mais me falou. Senti que ele trocava a idade que tinha pela minha.
    Sugestionado por esse acontecimento treze anos antes, passei o dia 26 de Dezembro de 2003 ao lado de um desfibrilhador e acompanhado por um amigo psicólogo. Quando batem na torre da igreja as vinte e duas badaladas a marcar a hora do meu nascimento e a minha entrada nos “trintas”, nada aconteceu! Um momento antes tinha vinte e nove, no momento seguinte, trinta. Nem uma depressão, nem nenhuma quebra física. O coração batia normalmente e nem uma mísera cãibra senti a denunciar o peso da idade! Que seca! Nada de extraordinário para relatar a não ser o facto de ter passado a noite a ouvir os desabafos do meu amigo psicólogo a sofrer de males de amor e, ao contrário do Fernando, não trocar o actual número por outro abaixo.
    Espirrei e sem dar conta fiz quarenta, tossi e sem me aperceber estou nos quarenta e sete. Ontem, no ginásio, onde me sinto um seminovo acabadinho de sair do stand, ao meu amigo Samuel, chamei-o de “velho”… ele sorriu. O sorriso era acompanhado de um pensamento, ao qual respondi, “Rejuvenesce-se a partir dos quarenta! Vais ter de esperar mais vinte anos.”

Nunca mais soube do Fernando e o meu amigo psicólogo sempre que pode, passa por minha casa para desabafar e, por enquanto, continuo a não trocar o meu número actual pelo anterior!

Continuar a ler...

Edição 747

Nuno Moreira que Alvarelhos e Guidões “mais capazes de responder às necessidades” das pessoas

Publicado

em

Por

Comunidade. Esta foi a palavra mais repetida por Nuno Moreira na apresentação da candidatura à União de Freguesias de Alvarelhos e Guidões, na tarde de domingo, 25 de julho.

Pela segunda vez a correr àquela Junta pelo Partido Socialista, o candidato acredita estar habilitado, “na liderança da equipa” que o acompanha, a “construir e gerir um território mais capaz de dar resposta às necessidades de todos os alvarelhenses e guidoenses”.
“Após uma vida de dedicação a diferentes causas desta comunidade e de aqui ter desenvolvido os meus negócios e o meu trabalho, sinto a necessidade permanente de devolver a esta população tudo o que ela me deu e assim ser parte de uma comunidade melhor. E porque, por fim, nada me faz mais feliz do que servir a minha terra”, começou por dizer o militante socialista, que começou por se apresentar em Alvarelhos, junto à sede de Junta, seguindo depois para Guidões.
Para depois expor algumas situações que “sustentam” o sentimento de que, naquelas localidades, “é preciso fazer mais e melhor”.
“Quando um conterrâneo não encontra um transporte público na sua freguesia para ir trabalhar, é porque ainda nos falta fazer algo. Quando algum freguês vê o seu pai acamado e tem muita dificuldade em adquirir uma cama articulada ou serviços de enfermagem é porque nos falta fazer mais como comunidade. Quando um grupo de reformados não encontra um espaço nem condições para se reunir para viverem a sua reforma acompanhados com atividade, é porque o nosso trabalho ainda não está feito”.

As propostas vieram a seguir, pela voz de Amadeu Dias, candidato do PS à Câmara Municipal, para expandir o hipotético alcance do programa eleitoral aos órgãos autárquicos: “serviço de transporte a pedido”, para responder às necessidades da população que não tem meios para se deslocar, “principalmente os mais velhos”; criação de uma “sede de Junta digna” em Guidões; reforço da “limpeza dos espaços públicos” da freguesia” e requalificação dos parques desportivos.
E porque “sempre” defendeu a “ideia de proximidade”, Nuno Moreira não esquece a luta que “abraçou” pela desagregação das freguesias. Esta é, sem surpresa, uma das bandeiras da candidatura do socialista: “Foi o PSD, na Trofa e no país, que consumou a agregação das freguesias de Alvarelhos e Guidões e agora é o PS, na Trofa e no país, que se prepara para restituir as freguesias aos seus cidadãos. Depois de nove anos de luta, estamos prestes a ganhar esta batalha. Estarei preparado, com tranquilidade, coerência e rigor, para devolver as freguesias de Alvarelhos e Guidões aos respetivos fregueses, em nome da proximidade e de um serviço melhor aos cidadãos”, assinalou.
E numa demonstração de que “a proximidade não se faz só de palavras, mas também de atos concretos”, Nuno Moreira assegurou que, caso seja eleito, não aceitará “remuneração a tempo inteiro”. “Pouparei esse salário ao orçamento da Junta, mesmo sendo o vosso presidente de junta durante 24 horas por dia, durante todos os dias durante os próximos quatro anos”, garantiu aos eleitores.

Continuar a ler...

Edição 747

Chega com candidatos a todos os órgãos autárquicos

Publicado

em

Por

O Chega apresentou candidatos a todos os órgãos autárquicos do concelho. Na tarde de sábado, dia em que também foi inaugurada a sede do partido, na Rua D. Pedro V, foram conhecidos os nomes que vão avançar pelo Chega às assembleias de freguesia, Câmara e Assembleia Municipal.
Rui Pedro Costa foi o nome escolhido pelo partido para a corrida à Câmara Municipal. No discurso de apresentação, perante militantes e simpatizantes do Chega, quis salientar que encabeça uma candidatura “suprapartidária”, porque quer que “as pessoas coloquem acima de tudo os interesses do concelho da Trofa, independentemente das suas convicções políticas”. “Aqui trata-se mais de escolher e votar num projeto do que, propriamente, num partido político”, sublinhou, na breve intervenção, em que resumiu a razão pela qual se apresenta a eleições: “Melhorar o concelho da Trofa”.
O candidato defende, “essencialmente”, para a Trofa uma “nova dinâmica, novo ritmo, novo empenho e grande dedicação”, priorizando a “estabilidade política para poder concretizar os anseios e necessidades da população”.
“Há muito para aprender, muitas barreiras para ultrapassar, mas vou contar com todos os que manifestem vontade firme de me ajudar, de me ensinar, de me alertar, de apoiar, no fundo, vou contar com todos os que querem participar e contribuir para a afirmação e engrandecimento do concelho da Trofa”, afiançou.
Com a ambição de ser “um polo de união e não de divisão”, Rui Pedro Costa manifestou desejo de ver a população a votar “massivamente” no dia 26 de setembro, contribuindo, assim, para “o início de um novo ciclo para a Trofa”.
“Não vou fazer promessas vãs e fáceis só para ter votos, porque não sei se as vou poder cumprir. Sei de algumas necessidades do concelho e gostaria de poder resolver uma grande parte desses problemas”, assinalou, sem, no entanto, concretizar os projetos concretos que delineou para o mandato.
“Algo que eu posso prometer de forma consciente a todos os trofenses é trabalho, dedicação, empenho e lealdade para poder levar a cabo a concretização dos anseios e das necessidades da população, por isso faço-vos um apelo em nome da estabilidade política e para bem da Trofa, a todos os que decidirem manifestar a sua confiança expressa pelo seu voto, tenho a certeza que todos podemos dar uma nova vida ao concelho da Trofa”, concluiu.
Hélder Couto é o candidato do Chega à Assembleia Municipal da Trofa. Já para as freguesias avançam Hermes Xavier (Covelas), Abel Geraldes (Coronado), Cláudio Neves (Muro), Cecília Carneiro (Alvarelhos e Guidões) e José Carlos Carneiro (Bougado).

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);