quant
Fique ligado

Edição 756

No Pó dos Arquivos: O Reitor Francisco Moreira Azenha

Após esta leitura, ninguém ficará indiferente. Honremos a memória do Reverendo Francisco Moreira Azenha.

Publicado

em

O mês de Novembro levou-me, em visita, ao cemitério de Santa Maria de Avioso. Aí estão sepultados muitos familiares meus, pelo lado paterno: uns que não conheci, pois nele jazem logo após a data da construção deste campo sagrado (1882); outros, que bem conheci e muito amei! E também alguns, que não sendo meus familiares ou conhecidos, merecem me curve perante a sua memória, pelo que sei quem foram e o que fizeram.
Hoje pretendo homenagear o Reverendo Francisco Moreira Azenha, pároco de São Cristóvão do Muro, entre 1860 e 1916 (reitor aposentado).
Nascido na aldeia de Cidadelha (Santa Maria de Avioso), o Reverendo Francisco Moreira Azenha era filho de José Francisco Moreira Azenha e de Maria Eugénia de Lima. O pai foi ouvidor na Câmara da Maia e, depois, fiscal da Câmara Municipal, em vários quadriénios. A mãe, Maria Eugénia de Lima, era irmã de Francisco de Moura Coutinho, Morgado da Casa da Carrriça, em São Cristóvão da Muro. Entre os vários filhos, o Francisco ordenou-se presbítero, em 1851, em 1860 colou-se reitor em São Crstóvão do Muro, onde passou a residir com a irmã, Maria, no estado de solteira.
Das “Memórias Paroquiais, de1758” constam apontamentos que nos dão conta das obras promovidas pelo reitor, na igreja paroquial.
Parece que em 1766 se procedeu a uma restauração (da igreja), mas tão modesta seria que, em 1860, quando tomou posse o actual pároco, Reverendo Francisco Moreira Azenha achou o templo completamente arruinado, quase indigno do culto. “Por isso, este zeloso sacerdote empreendeu uma larga restauração, aumentando a capela mór e o corpo da egreja, apainelando o tecto, fazendo uma nova tribuna, uma elegante torre, mandando dourar a brunido toda a capela mór e os altares colaterais, onde já existiam quatro colunas de talha em cada um, único ornato que, apesar de muito deteriorado, pôde aproveitar-se do antigo templo. Falta ainda dourar e pintar o corpo da egreja, porque, não obstante a boa vontade e zelo do pároco, a restauração que principiou em 1860 ainda não está concluída.”
Acresce que, também sob a égide do reitor, se procedeu ao entalhamento e douramento das colunas e sanefas da igreja. Para isso, foi contratado o trabalho do entalhador António Ferreira Aleixo, natural de Moreira da Maia, que passara a viver no lugar da Igreja (Muro), após 1896, data do seu casamento com Rosa da Silva Santos. Foi ainda contratado o seu filho José Ferreira Aleixo, de Vila Nova da Telha, “por serem os únicos, por estes sítios, habilitados para isso.”
Também no tempo do reitor, “recorreu-se ao sineiro de Rio Tinto, Alexandre António de Leão, para saber o quantitativo necessário para material de um novo sino, de treze arrobas, para a fundição do velho quebrado.”
Fora da Igreja paroquial, a caminho do Monte de São Pantaleão e no recinto da Capela, as datas inscritas em 9 cruzeiros da Via Sacra recaem na paroquialidade do reitor.
Como terá sido possível obter receita para custear tudo isto? Mais estranho por saber que, anos antes, em 1814, foi declarada a total impossibilidade.
Numa determinação deixada nos livros paroquiais, o Visitador ordenava que no tempo de um ano, impreterivelmente, se procedesse às obras de restauro. “E para se fazer esta obra com maior comodidade, atenta a pobreza que me informam haver nesta freguesia e os poucos lavradores abonados que tem, determino que todas as Confrarias darão de esmola para as ditas obras tudo aquilo que costumam gastar nas suas festas, visto que melhor serviço fazem ao Divino Nosso Senhor com lhe prepararem a casa da sua habitação que em ornatos e feitios que, bem longe de Lhe dar honra e louvor, antes Lhe servirão de ofensa.” Não aceitando esta imposição, os paroquianos responderam que “muitos dos principais não queriam dar as esmolas, dizendo que só as dariam havendo festas.”
“Às onze horas do dia sete do mês de Março do ano de mil novecentos e dezasseis, numa casa do lugar do Cabo, da freguesia de São Cristóvão do Muro, faleceu um indivíduo do sexo masculino, de nome Francisco Moreira Azenha, de oitenta e sete anos de idade, de profissão pároco aposentado. Foi sepultado no cemitério de Santa Maria de Avioso. A declaração de óbito foi feita por António de Sousa Moreira, sobrinho do falecido e morador no lugar do Vale, freguesia de Alvarelhos.” Este António de Sousa Moreira era descendente dos proprietários da Casa de Sousa Moreira, da aldeia de Vilares (Muro) e casara com Leopoldina Moreira Azenha, sobrinha do reitor.
Deixo uma sugestão aos meus conterrâneos. Entrem no cemitério de Santa Maria de Avioso, pelo portão principal, percorram o arruamento até ao conjunto de três capelas jazigos. Na do meio, datada de 1889, podem ler esta inscrição pintada na parede do fundo:
CATACUMBA PERPTUA
DO R.o REITOR DE SAM CHRISTOVÃO
FRANCISCO MOREIRA AZENHA
NASCEU a 1 de Maio de 1828
FALLECEU a de Março de 1916
Após esta leitura, ninguém ficará indiferente. Honremos a memória do Reverendo Francisco Moreira Azenha.

Continuar a ler...

Edição 756

Augusto Costa e Susana Silva campeões nas 2 rodas motrizes

“Estamos bastante satisfeitos com a conquista do título”.

Publicado

em

Por

Terminou o Campeonato Norte de Ralis, com a realização do Rali de Vila Nova de Cerveira, a 19 de dezembro. No regresso desta prova ao calendário, estava em jogo a decisão do título nas duas rodas motrizes, entre João Andrade e Augusto Costa.

O rali iniciou com Andrade a comandar, mas veria a caixa de velocidades do seu Citröen Saxo ceder na segunda especial, terminando assim a possibilidade de lutar pela vitória. Restava aguardar pelo final e esperar também o abandono ou mau desempenho de Augusto Costa, o que não viria a acontecer.
A equipa da Trofa realizou uma prova muito cautelosa, terminando na 4.ª posição da geral e 3.ª nas duas rodas motrizes. Como os três primeiros não tinham influência na luta pelo campeonato, bastou à equipa do Peugeot 208 controlar e impor um andamento ajustado para terminar na 4.ª posição da geral, correspondendo na atribuição dos pontos, ao segundo lugar nas 2RM, visto Paulo Antunes não estar inscrito no campeonato.
“Estamos bastante satisfeitos com a conquista do título. Não participamos neste campeonato com o objetivo de o conquistar, mas com o decorrer das provas, as pontuações acabaram por nos ser favoráveis, terminando na frente. A prova correu bem, sem grandes contratempos e sem exageros da nossa parte. Alcançamos a 3.ª posição nas duas rodas motrizes, mas que em termos de pontuação para o campeonato corresponde ao 2.º lugar. Com esta classificação, conquistamos os pontos necessários para sermos Campeões”, sublinhou Augusto Costa.
A prova teve como vencedor Paulo Antunes, em Peogeot 208, seguido de Rafael Pereira, também em Peogeot 208, e Fernando Peres, em Mitsubishi Lancer, a fechar o pódio.
Com o título de Campeão Norte de Ralis entregue antecipadamente a Adruzilo Lopes, Vila Nova de Cerveira vê coroados os novos campeões nas duas rodas motrizes. Augusto Costa e Susana Silva participaram em seis eventos, tendo ganhado três e terminado outros três no 2.º lugar, conquistando o cetro com mais um ponto que os segundos classificados João Andrade e Sérgio Paiva, que alinharam em nove ralis.
“A diferença mínima nas contas do campeonato só vem demonstrar a competitividade que existe no Campeonato Norte de Ralis, principalmente nas duas rodas motrizes. Parabéns ao João Andrade e ao Sérgio Paiva pelo excelente ano que tiveram. Quero também deixar especiais agradecimentos aos nossos patrocinadores, a toda a equipa que nos acompanhou durante a época e, de forma muito especial, ao meu braço direito, a Susana Silva, minha esposa e navegadora”, rematou o piloto trofense.
Com a época 2021 terminada, resta aguardar por 2022, onde se esperam bastantes novidades.

CLASSIFICAÇÃO CAMPEONATO
NORTE RALIS (2RM)
1º – Augusto Costa – 135 pontos
2º – João Andrade – 134 pontos
3º – Luís Morais – 117 pontos

Continuar a ler...

Edição 756

Karaté em crescimento na AR S. Pedro da Maganha

No dojo do S. Pedro da Maganha há atletas dos sete aos 57 anos, uns ainda a ganhar experiência, e outros a dar cartas – e muitas – na competição.

Publicado

em

Por

No chão, um extenso tapete preto, no teto uma estrutura que sustenta dois sacos de boxe. Quem vê de fora, não imagina que um dos principais salões da sede da Associação Recreativa S. Pedro da Maganha se transformou num dojo de karaté, onde lá treinam cerca de uma dezena de pessoas. Os treinos acontecem às quartas, sextas e domingos.

Dominam os jovens, que, mal chegam ao tatame “improvisado”, começam os exercícios de aquecimento. “Alguns eram muito indisciplinados lá fora. Nem sabe o que evoluíram desde que cá chegaram”, conta, orgulhoso, Mário Ramalho, coordenador da secção e praticante de karaté há muitos anos.
A mais recente conquista deste amante da arte marcial foi trazer a esposa, Alice, a experimentar o tatame também. A mulher olha, tímida, e acena a cabeça, em sinal afirmativamente. “Chateou-me durante muito tempo. Eu achava que isto não era para mim, mas desde que comecei que noto que ando muito melhor”, confessou a mulher, que testemunha os benefícios que o karaté lhe deu em termos físicos e psicológicos.
O sensei Fernando Santos fala deles com mais detalhe: “Serenidade, melhoramento da postura social e, se lhe quisermos chamar assim, este é um desporto que não é individualizado, mas sim vivido em comunidade, porque precisamos do outro para poder praticar. Depois, a nível físico, temos a flexibilidade, a destreza, o equilíbrio. Eu costumo dizer que no karaté encontramos tudo, até o que os outros não têm”.


No dojo do S. Pedro da Maganha há atletas dos sete aos 57 anos, uns ainda a ganhar experiência, e outros a dar cartas – e muitas – na competição. Pedro Matos vive no Porto, mas costuma deslocar-se à Maganha para treinar com Fernando Santos. Na flor da idade já colecionou “54 primeiros lugares” e numa das épocas “foi totalista”. “Nas 13 competições em que participou, venceu todas. Nasceu para isto. Atualmente, é o campeão nacional de cadetes em kata”, sublinha o sensei.
O gosto pelo karaté nasceu sob a influência dos “desenhos animados” que Pedro via quando era criança. Depois, quando a irmã começou a praticar, os pais aperceberam-se que o pequeno imitava os movimentos e decidiram colocá-lo, também, num dojo. “O karaté dá-te mais foco, aqui sinto-me mais concentrado, vou para outro mundo onde mais nada existe”, descreve.
Quanto aos segredos para se ser campeão, Pedro considera que tem haver uma conjugação de vocação e empenho. “Tens de nascer com isto dentro de ti, mas sem treino árduo também não vais a lado nenhum”.

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também