quant
Fique ligado

Edição 723

Nem a pandemia apagará a grandeza da festa de Senhora das Dores

Publicado

em

Uma relíquia dos nossos tempos, que será afetada por uma pandemia que marcará, inevitavelmente, o século XXI. Apesar das grandes restrições que a romaria de Nossa Senhora das Dores sofrerá este ano, sem programa lúdico nem a majestosa procissão que atrai milhares de pessoas à cidade, o NT faz questão de assinalar a efeméride, contando, para isso, com o excelente contributo da História.

“Muitos comboios cheios de romeiros e o mesmo de outras localidades distantes; além de trens particulares, cavalgaduras e ranchos que vêm de diferentes partes”. Foi assim que Napoleão Sousa Marques escreveu sobre como era a chegada das pessoas à Trofa, para participar na romaria de Nossa Senhora das Dores.

Através da obra “Roteiro Turístico-cultural da Cidade da Trofa”, é possível fazer-se uma viagem no tempo de algumas décadas, para ver como os romeiros se integravam na festa, muitos deles munidos de “cestos, malas e trouxas com os componentes merendeiros”, outros tantos com alimento cultural, que é o mesmo que dizer acompanhados de “violas, rebecas, clarinetes” e “bombos”, que “tangem, em todo o caminho e no arraial, dançando homens e mulheres, ao som destes instrumentos”.

O arraial era caracterizado como “vasto” e “lindíssimo”, onde havia “muitas barracas com vinhos e comidas, doces e outros géneros” e tudo desaparecia rápido, “apesar de farnéis bem recheados”.

Já naquele tempo a procissão, “com seis andores”, realizava-se “depois da festa da igreja”. Os gigantes, carregados pela força de “vinte homens”, eram o “luxo destas terras”, abençoadas pelos “muitos anjinhos, vestidos com grande magnificência, e carregados de grossos cordões de ouro, em tanta quantidade e de tão grande peso, que as pobres crianças vão ajoujadas”.

Virando para o caminho da fé, a Capela Nossa Senhora das Dores foi, e é, por estes dias, o chamariz das festas. Com mais de 250 anos de existência, a ermida abre o livro das angústias, dores e tristezas por que terá passado a Virgem Maria durante a sua vida, desde o nascimento até à morte do seu Filho, Jesus.

Estas “dores” (ver caixa), na forma de sete espadas que trespassam o seu coração imaculado, estão representadas na capela-mor, seis em azulejos e a sétima na imagem que está na tribuna central.

Publicidade

Em 1766, a paróquia de S. Martinho de Bougado estava sob a jurisdição da diocese do Porto e tinha como responsável pastoral o padre Alberto Inácio Pimentel.

Segundo as “Memórias Paroquiais do Arquivo Nacional da Torre do Tombo”, a freguesia (paróquia) está dividida em vários lugares. “Esta tem 112 vizinhos e pessoas entre maiores e menores são 398”. Tem o lugar de São Martinho (padroeiro) assim como outros situados em planície, “que vai da ponte da Lagoncinha para o Porto por quase meia légua”… “sendo-lhe de divisa o Rio Ave (…) Faz a festa do padroeiro São Martinho (10 e 11 de Novembro) e a Festa do Espírito Santo e suas oitavas…”

Até este ano de 1766, não há referência alguma à devoção (ou festa) de Nossa Senhora das Dores por parte do povo da freguesia (paróquia), o que só aconteceu a partir do dia 16 de agosto de 1766, data em que o abade de então, Inácio Pimentel, fervoroso devoto de Nossa Senhora das Dores, juntamente com alguns dos seus paroquianos, dirigiu um pedido ao bispo da diocese para ser erigida uma ermida em honra de Nossa Senhora das Dores.

S. Martinho de Bougado era uma freguesia de reduzida população, que tinha dificuldades em realizar uma festa com relativa grandeza. Mesmo assim, com sacrifício, no terceiro domingo do mês de agosto era realizada a festa no monte da Capela. A comissão era constituída por um juiz, um tesoureiro, dois procuradores e quarenta mordomos, os quais deitaram mãos à obra, ou então como se dizia, realizaram a “função de Nossa Senhora das Dores”.

A comissão era constituída pelos chefes de família de toda a freguesia, porque cada aldeia não tinha, como agora, pessoas com número suficiente para a realização das festas.

AS SETE DORES DA VIRGEM

1.ª Dor: Profecia do Velho Simeão: “Uma espada trespassará a tua alma”.
2.ª Dor: Fuga para Egipto: “Levanta-te (José), toma o Menino e Sua mãe e foge para o Egipto”.
3.ª Dor: Perda do Menino Jesus no Templo: “Filho, por que procedeste assim connosco? Eis que teu pai e eu te procurávamos, cheios de aflição”.
4.ª Dor: Maria encontra Jesus a caminho do Calvário.
5.ª Dor: Jesus morre na Cruz – Junto da Cruz de Jesus estavam de pé Maria, Sua mãe, Maria, mulher de Cléofas, e Maria Madalena.
6.ª Dor: Maria recebe o corpo de Jesus em seus braços: José de Arimateia tirou o corpo de Jesus da Cruz e envolveu-O num lençol de linho e entrega-O a Maria.
7.ª Dor: O corpo de Jesus é sepultado no túmulo. Maria fica sem seu Filho, nem vivo nem morto. É a imagem principal da Capela no centro do altar-mor. (Jesus está morto no sepulcro).

“Ninguém basta para imaginar os fogos do divino amor e saudades que a Virgem padecia depois da Ascensão do Senhor; e porventura visitava muitas vezes o lugar da Paixão e sepultura de seu Filho. O amor de Cristo ardia no peito da Virgem. Com as saudades que tinha do Senhor juntava lágrimas amorosas sem conta e viver tanto tempo sem o seu amado, causava nela uma maneira de martírio. Clamava no mais vivo do coração e dizia: “Quando darão vau os rios caudalosos de minhas lágrimas? Quando virá este, quando?”

Viveu a Virgem no monte de Sião até à sua Assunção, ouvia missa cada dia e comungava da mão de São João. Consolava os peregrinos que a vinham visitar, com palavras suavíssimas.

Publicidade

Ficou a Mãe de Deus neste mundo para que a Igreja gozasse de consolação visível. Dizem que presidia nas conferências e disputas que se ofereciam nas coisas de fé, declarando as dúvidas que ocorriam e confortando mais aqueles entendimentos que pelo Espírito Santo já estavam alumiados.

Chegada pois a hora, em que esta Senhora havia de passar desta vida e vir alegrar com sua presença os moradores do Céu e triunfar da tirania da morte e corrupção da carne, foi suma a sua alegria, porque havia de ver o Cristo em sua glória e formosura. Esta hora lhe foi revelada pelo Anjo Gabriel”.

D. Frei Amador Arrais,
bispo Carmelita

Continuar a ler...
Publicidade
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 723

Memórias e Histórias da Trofa: O Ministro da Justiça na Trofa em 1904

Publicado

em

Por

Decorriam os últimos dias do mês de maio de 1904 e a Trofa estava em alvoroço, porque iria ter a visita de gente ilustre, aquelas personalidades mediáticas que são capazes de alterar por completo as rotinas sociais da comunidade.

Uma pequena localidade entre Porto e Braga desenvolvia-se de forma estonteante, o comboio que tinha chegado há alguns anos permitia que se vivesse um grande crescimento económico e também social, o que fazia, obviamente, com que esse processo fosse capaz de chamar a atenção do poder central político.

O ilustre que iria visitar a Trofa na última semana de maio de 1904 era sua ex. Ministro da Justiça, Artur de Campos Henriques, que ocupava aquele cargo desde 7 de setembro de 1903.

Na prática, era ministro desde 1900, todavia tinha estado afastado dessas funções, entre julho e setembro de 1903, por questões meramente políticas e, rapidamente, iria retornar ao seu ministério.

A sua passagem pela Trofa iria ocorrer nas instalações da Estação do Caminho de Ferro, desconhecendo o destino final daquela ilustre visita, todavia, isso não foi impedimento para aquelas instalações ferroviárias estarem repletas de público, com muitos dos presentes a quererem ver aquela figura carismática do Governo Constitucional, atendendo a todo o seu passado político em que tinha sido Governador Civil, Ministro das Obras Públicas e, como prova do seu impacto mediático, em 1908, iria ser, inclusivamente, Presidente do Conselho que equivalia esse cargo na atualidade a Primeiro-Ministro.

Um portuense que ia dando cartas na política nacional e conseguia facilmente receber o reconhecimento do seu trabalho, iria ter uma enorme ovação na Trofa, com o povo presente a aproximar-se da carruagem em que ele viajava e prontamente fizeram vários vivas à família real, como também àquele ilustre.

Possivelmente, o destino da sua viagem seria Braga ou uma outra localidade minhota, fundamentando esta argumentação com a presença do Presidente de Câmara na Estação, como também a importante presença do secretário municipal. Caso o comboio seguisse para Guimarães, facilmente o Presidente da Câmara poderia contactar com aquela pessoa em território tirsense.

Publicidade

A cobertura jornalística efetuada àquele momento não permitiu perceber muito mais pormenores sobre aquele acontecimento, apenas que estava presente um ambiente festivo, com grandes vivas à família real, vivendo-se um momento de euforia e raro naquela época, a visita de um Ministro a uma localidade, sobretudo, uma das figuras mais influentes do panorama político nacional.

Continuar a ler...

Edição 723

Ida à praia (parque I)

Publicado

em

Por

Ajusto o despertador para as sete horas, a ideia é acordar cedo para aproveitar a melhor parte da praia, a manhã. Nunca percebi aquelas pessoas que chegam à hora do “cancro”, quando deveriam estar a sair para irem almoçar…QUE PAROLOS!

Parece que foi no momento a seguir a pousar a cabeça na almofada, que acordei com o primeiro de cinco toques do despertador! O primeiro, às sete, e o último, às oito. Dava perfeitamente para nos prepararmos, irmos tomar o pequeno- almoço e chegar cedo à praia.

O dia tinha acabado de começar e já achava que estava a correr demasiado bem, quando ao entrarmos no carro para irmos para a praia, e chegar cedo, a Cristina diz – Vamos passar só ali…fica a caminho.

A loja onde ela queria ir ficava a Este do sítio onde estávamos, quando queríamos ir para Oeste…mas estávamos com tempo…, é a grande vantagem de acordar cedo. Após esta deslocação fomos a mais um, e outro…e mais outro sítio, todos a caminho da praia e sem dar conta, já tínhamos percorrido todos os pontos cardeais, sem sair da Trofa!

Finalmente, tomamos a direção da praia e ao fim de meia hora estaciono o carro próximo de um passadiço que dá acesso ao areal. Quando olho para a esquerda, vejo várias pessoas a sair. “Estará vento?” – pensei eu, olhando para o céu a certificar-me se alguma gaivota estava a ser arrastada e de seguida espreito por cima do ombro, em direcção à bandeira, que além de verde, não se mexia!

  • É meio-dia. Quase que chegávamos de manhã! – Diz a Cristina.
    Quando ouço as horas, envergonhadamente, tapo a cara, para não ser visto, mas o António reconheceu a matrícula do carro:
  • Tudo bem, Calheiros? Vais para a praia?
  • Não, António! Só um inconsciente ia a esta hora para lá! Já vamos embora. – Respondo.

    Quinze minutos depois já tínhamos o para-vento e o guarda-sol montados e, sem grande demora, já estou a molhar os pés…a água estava gelada! O mergulho foi imediato e inevitável, depois de passar água pelas pernas, tronco e cara. Sempre desconfiei daqueles que vão molhar os pezinhos e recuam para o areal!
    Dou meia dúzia de braçadas e deixo-me estar a boiar. Ao sair da água, o ar natural que transmitia era desmentido pela pele de galinha e pela quase inexistência dos genitais…com calma dirijo-me para a minha toalha, onde me deito exposto ao sol, naquela hora em que ele é forte e faz mal…com urgência precisava de recuperar os meus órgãos…e adormeci, a Cristina já dormia!
    Quando acordo, desta vez sem nenhum toque de despertador, a praia já tinha recuperado aqueles que tinham saído ao meio-dia. Abro os olhos e senti-me como a acordar no meu quarto, mas cheio de estranhos, em que cada um pôde ficar a conhecer um pouco do meu íntimo, ou seja, a forma escarrapachada como durmo, se ressono ou não, se falo ou tenho tiques durante o sono…e aquela! Aquela que, de pé e em topless, chegava creme por detrás de um para-vento, também pensa agora que me babo a dormir, mas nesse caso foi apenas a reação ao vislumbre de um belo exemplar de mamas!
    Viro-me para o lado e a Cristina ainda dorme e baba-se. Olho para onde a cabeça dela está virada e, aliviado, vejo um rochedo! Quando olho para ela, outra vez, sinto os genitais e um sorriso denúncia que já os recuperei…

Como é bom aproveitar a praia, logo pela manhãzinha!

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também