quant
Fique ligado

Edição 450

Na Trofa, pessoas com mobilidade reduzida têm que enfrentar vários obstáculos

Publicado

em

 

O Dia Internacional das Pessoas com Deficiência assinala-se, anualmente, a 3 de dezembro. O NT não quis deixar passar a data despercebida e falou com António Marranita, portador de cadeira de rodas, sobre as dificuldades que enfrenta com as barreiras arquitetónicas.

António Marranita já perdeu a conta às chamadas de atenção que endereçou a responsáveis autárquicos para as barreiras arquitetónicas que encontra, diariamente, na Trofa e que o privam de segurança ou qualidade de vida. Vítima de uma doença degenerativa, tem que se deslocar numa cadeira de rodas e circular pela cidade – à imagem do que acontece um pouco por todo o país – é um verdadeiro desafio. Acessos sem passeios, passeios mal construídos, passeios com buracos ou tampas mal colocadas pululam pelas várias ruas trofenses. E o que dizer de rampas cuja inclinação “mais parece uma pista para brincar”? Um dos exemplos é uma junto à Academia Municipal (Aquaplace), perto do local de trabalho de António Marranita. “É uma descida íngreme que fizeram no passeio para permitir a entrada de carros, mas constitui um perigo enorme para quem se desloca em cadeira de rodas”, conta.

Outra barreira encontra-se num passeio construído a par da nacional 14, em frente ao posto de combustível BP, no centro da cidade, cuja esquina encurta o espaço, tornando impossível a passagem de pessoas com mobilidade reduzida e carrinhos de bebés. “Os meus pais acabaram por colocar pedras e terra naquele local para alargar o passeio, já que, caso contrário, se utilizasse a passadeira, teria de ir pela estrada”, contou.

Mais à frente, mais próximo da rotunda do Catulo, na Rua Guerra Junqueiro, existe uma passadeira mesmo junto à estrada nacional mas, a não ser que se utilize a estrada, só pode ser usada por pessoas sem mobilidade reduzida. É que a rampa está localizada a cerca de dez metros de distância.

“O estacionamento de carros em cima dos passeios é quase constante e a utilização indevida de lugares restritos a veículos com dístico também. Ainda hoje (terça-feira), aconteceu, tive que esperar que uma pessoa retirasse o carro para poder usufruir do meu lugar”, relatou.

Este é um problema que vem da “raiz” e tarda a ser visto seriamente pelos responsáveis políticos, que “dizem que vão atuar, mas depois não fazem nada”, desabafa. E o problema não está só na rua. Os edifícios públicos são os primeiros a reprovar no teste da igualdade de acesso. No sabado, António Marranita não pode assistir ao espetáculo que  decorreu no auditório da Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, porque não há acesso para pessoas com mobilidade reduzida. “O antigo presidente por duas vezes me disse que tem um elevador de escadas para subir para o anfiteatro. Disse que não conseguia arranjar quem montasse aquilo e até pediu ao meu pai para o fazer, mas até hoje nunca mais ninguém me contactou”, contou. O mesmo se pode dizer do salão nobre dos Bombeiros Voluntários da Trofa” e outros locais podiam ser referidos, mas António Marranita já não arrisca passar por lugares que não conhece, porque, afirma, “já sei que não vou ter acessos”. Sobre a lei 123/97, de 1997, que estipulava sete anos para que os edifícios públicos fossem dotados de acessos para pessoas com mobilidade reduzida – e que sofreu um prolongamento de mais sete anos – António Marranita já não ouve falar “Entretanto já se devem ter esquecido”, frisou.

Para este trofense, o problema persiste porque “as pessoas não conhecem os casos de perto e não tão sensíveis”. “Há quem aprove obras sem que os critérios de mobilidade sejam cumpridos”, sublinhou

Publicidade

 

A “falta de informação” e os elevados obstáculos para conseguir apoios estatais fazem com que muitas pessoas não os peçam ou desistam de lutar. António Marranita está “há quase dois anos” à espera de baterias para a cadeira de rodas, às quais tem direito por ser trabalhador deficiente. “O Instituto de Emprego analisa, pede papéis e mais papéis e demora a responder. Voltei a forçar e o responsável mandou-me um email a dizer que a meio de dezembro deverei ter as baterias. Vamos ver”, referiu.

As ajudas técnicas “existem”, acrescentou, mas “demoram a ser desbloqueadas” e “são inacessíveis” a muitas pessoas. O içador com carril, que António Marranita tem no teto de casa, e que ajuda os pais a levantá-lo da cama ou a levá-lo para a banheira da casa de banho, custou “cerca de dez mil euros”.

Normalmente, no Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, que se assinala a 3 de dezembro, António Marranita costuma enviar um email à Câmara Municipal para sensibilizar e apelar a uma maior atenção. Até hoje, ainda espera por uma resposta que lhe possa dar melhor qualidade de vida.

Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Edição 450

Brinquedos tradicionais de madeira expostos na Casa da Cultura

Publicado

em

Por

 

Quer uma boa razão para visitar a Casa da Cultura? Que tal visitar a exposição “Produção de Brinquedos Tradicionais em São Mamede do Coronado”, que vai estar patente até ao próximo dia 31 de dezembro.

A sala de exposição está transformada num mundo de sonho para pequenos e graúdos, reunindo brinquedos de coleção, das décadas de 50, 60 e 70 do século XX e ainda exemplares da recriação e interpretação contemporânea dos mesmos brinquedos, que são agora certificados e adequados ao manuseamento das crianças.

A exposição, inaugurada aquando das comemorações do 15º Aniversário do Concelho da Trofa, convida os visitantes a viajarem no tempo, revivendo momentos da sua infância, ao mesmo tempo que conta “a história da evolução da produção de brinquedos na região”, contando para tal com contributos da oficina Artesana, propriedade do artesão trofense, Abílio Cardoso. Presente em vários certames promovidos pela autarquia, bem como em alguns programas de televisão e feiras de artesanato nacionais e internacionais, este artesão não deixa “morrer” estes brinquedos, levando-os também até às novas gerações.

Continuar a ler...

Edição 450

Crónica Verde. É Natal…

Publicado

em

Por

Aproxima-se a época em que o consumismo atinge o seu auge: o Natal.

Quero deixar claro que eu gosto do Natal. E também gosto das prendas, de as dar a quem trago no coração, de as receber… Mas as prendas são uma parte de algo maior, uma fascinante mistura de crenças, tradições, algumas tão antigas que se perdeu nos tempos o seu porquê; interpretadas, adaptadas, transformadas, cunhadas, a cada ano, por cada família que as adopta. Para mim , o Natal é o entusiasmo em estudar e fazer as decorações de Natal; o escolher ou fazer carinhosamente cada presente, cada oferta, até os embrulhos; o partilhar com amigos, vizinhos, desconhecidos; o participar na alegre labuta dos doces tradicionais segundo receitas herdadas; é a leve excitação que paira no ar até ao dia 24; é a alegria esfuziante dos mais pequenos… É confusão, risos, conversas, abraços, frio lá fora e lenha a arder na lareira, cheiro a calda de açúcar, a pão a levedar e a especiarias. É a família que se junta – às vezes vinda de pontos opostos do país ou até do outro lado do mundo – e, durante uma noite e um dia, celebra o que a une: amor.

Posto isto, acredito que é possível vivermos alegremente esta época sem seguirmos a “corrente”, sem sermos sugados pelo apelo assustador do tal consumismo.

Há muitas escolhas e decisões que podem tornar o nosso natal numa festividade mais “amiga do ambiente”, desde a escolha conscienciosa da árvore de natal, até à compra dos ingredientes – preferencialmente de origem local – para a consoada, passando pelo que fazemos aos embrulhos no final da festa (que tal guardá-los para os reutilizar no próximo Natal?), mas como hoje não posso falar de tudo, vou focar-me nas prendas, onde – presumo – é gasta a fatia maior do “orçamento natalício” (e talvez descubram que não tem que ser assim).

Gostaria de vos pedir para, quando escolherem os presentes para os vossos entes queridos terem em atenção o impacto que estes têm no meio que nos rodeia. Muito resumidamente, optem por presentes que sejam (sempre que possível) reciclados/recicláveis, biodegradáveis; que não impliquem exploração animal; que não tenham na sua composição elementos perigosos para a saúde e o ambiente e cuja produção, de preferência local, não advenha da exploração de mão-de-obra. E troquem os shoppings pelas ruas da cidade!

Pode dar um bocadinho mais de trabalho, mas o facto de sabermos porque o estamos a fazer aquece-nos o coração, acreditem!

E até vos deixo algumas sugestões:

Publicidade

uma bicicleta; lápis e cadernos reciclados; pequenos vasos com cactos coloridos; sacos de pano para compras, sacos de compras com rodinhas; carregador de baterias solar; floreira de ervas aromáticas; um cabaz gourmet ecológico, com produtos orgânicos e de comércio justo (chás, cafés, chocolates, azeite, conservas, vinhos, compotas); um cabaz com produtos de beleza naturais; t-shirts de algodão biológico; uma iogurteira; ecoponto caseiro; um cheque-prenda para uma massagem; plantas (adequadas ao clima onde vão ser colocadas); livros com dicas sobre como ser mais ambientalmente sustentável; bilhetes para o teatro ou um concerto; fazer bolachas e biscoitos e oferecê-los, de preferência em caixas reutilizadas, decoradas em casa; para quem tiver “jeito de mãos”, oferecer outras coisas “feitas por nós”: bijuterias e acessórios, roupas…

Que tal, aceitam o desafio?

Bom Natal!

 

ema magalhães | APVC

http://facebook.com/valedocoronado

http://valedocoronado.blogspot.com

Publicidade
Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);