A Câmara Municipal da Trofa e os parceiros sociais promoveram na terça-feira, dia 26 de fevereiro, a assinatura da Adenda ao Protocolo da Loja Social de atendimento integrado, com a entrada da Associação Muro de Abrigo.

A partir de terça-feira, o Atendimento Integrado da Loja Social da Trofa ganha mais um novo “parceiro ativo no trabalho de informação, intervenção e emergência social”, com a entrada da Associação Muro de Abrigo.

De forma a “aumentar o número de instituições de solidariedade social” que fazem parte deste projeto, a Câmara Municipal da Trofa e os restantes parceiros promoveram a assinatura da Adenda ao Protocolo da Loja Social potenciado a entrada da Associação Muro de Abrigo. Com a assinatura desta Adenda, fica a fazer parte deste projeto da Loja Social a autarquia trofense, o Centro Distrital de Segurança Social do Porto, a Santa Casa da Misericórdia da Trofa, a Cruz Vermelha Portuguesa – Delegação da Trofa, a Associação de Solidariedade e Acção Social de Santo Tirso e a Associação Muro de Abrigo.

Durante a cerimónia de assinatura desta Adenda, foi apresentado e votado o Relatório Estatístico 2012 da Loja Social, que deu conta da análise efetuada aos “mais de 1320 atendimentos realizados, numa média de seis atendimentos por dia”. Na prática, os trofenses procuram a Loja Social em busca de respostas para casos como “ausência ou insuficiência de rendimentos, encargos habitacionais, endividamento, desemprego ou emprego precário, doença, alcoolismo e toxicodependência, más condições de habitabilidade, insucesso escolar, falta de proteção social, violência doméstica, menores em risco ou ausência géneros alimentares”, entre outros.

Dada a importância do atendimento integrado prestado, Joana Lima, presidente da Câmara Municipal, deixou um incentivo a todas as instituições representadas na Loja Social e a todos os técnicos que ali trabalham todos os dias. “No futuro, a nossa Loja Social continuará a implementar a mesma filosofia que nos remete para uma realidade, em que cada agregado familiar ou indivíduo conta com o acompanhamento e aconselhamento de uma figura específica, consubstanciada num Gestor de Processo, ou seja, um técnico da área que assume um papel basilar na elaboração de diagnósticos e estratégias de intervenção”, garantiu.

Através deste serviço “tão completo e transversal”, a autarquia consegue, “não só promover a proximidade dos serviços de atendimento à população, mas também a qualificação da intervenção junto dos utentes, com base na relação utente/gestor, em que este apoia o utente na definição do seu projeto de vida com vista à inserção social e à autonomização progressiva em relação aos serviços”.

A Loja Social da Trofa, que conta com mais um parceiro ativo no trabalho de informação, intervenção e emergência social, assume-se como uma valência de atendimento e acompanhamento, constituída por três áreas específicas: atendimento integrado, sistema de informação e emergência social.