A Mundos de Vida criou um serviço de cuidadores a tempo permanente para pessoas dependentes. O projecto “Antes em casa” foi apresentado na sexta-feira.

Se o Homem conseguiu dar mais anos à vida, a Mundos de Vida quer “dar mais vida aos anos”. A associação sediada em Lousado considera importante oferecer “qualidade de vida ao desenvolvimento humano” e uma das condições para o conseguir é não esquecer o conceito de família. Por isso, lançou o “Antes em Casa”, um serviço de cuidadores a tempo permanente no domicílio de pessoas dependentes.

Numa altura em que a longevidade de uma pessoa é cada vez maior e a disponibilidade das famílias é insuficiente, este projecto “é uma importante alternativa aos que se podem encontrar”, considerou Manuel Araújo, presidente da Mundos de Vida.

“O ‘Antes em Casa’ é um serviço que vai ao encontro das necessidades da comunidade dos três concelhos (Trofa, Santo Tirso e Famalicão), para poder apoiar as famílias nas fases difíceis da vida, evitando que essas pessoas continuem internadas ou vão definitivamente para uma instituição e possam estar em casa com segurança e confiança de um serviço de qualidade”, frisou.

A ideia essencial do serviço vai de encontro ao lema da associação, que é caminhar no sentido da “normalização”, ou seja, em vez de, perante a indisponibilidade da família, colocar um idoso num lar, criar condições para que possa receber cuidados em casa.

O projecto vai começar com dez cuidadores que, para serem admitidos, tiveram que cumprir uma formação de seis meses e estarem preparados para fazer um acompanhamento permanente.

Márcia Almeida, responsável técnica pela área dos idosos da Mundos de Vida, explicou que o serviço está dividido em três processos. Depois da candidatura e admissão segue-se um período de avaliação: “Elaboramos um plano de cuidados, sempre com a família ao corrente de tudo aquilo que estamos a fazer, porque consideramos que o seu envolvimento é essencial para a recuperação da pessoa dependente. Depois seguimos para a fase de desenvolvimento humano, no qual vamos aplicar tudo o que ficou descrito no plano de cuidados”.

Ao desenvolver este novo serviço, a Mundos de Vida pretende responder, por um lado, ao envelhecimento da comunidade e, por outro, ao flagelo do desemprego, pois “pessoas que têm perfil adequado para cuidar de pessoas idosas poderão ter acesso a formação e a uma nova carreira profissional”, ressalvou Manuel Araújo.

O presidente da Mundos de Vida referiu que o custo de um cuidador a tempo permanente “anda na ordem de grandeza de um serviço de uma empregada doméstica qualificada”.

De acordo com um estudo do Ministério da Saúde, em 2020 haverá cerca de 49 mil pessoas idosas nos concelhos da Trofa, Santo Tirso e Famalicão.