A família de uma mulher de 48 anos alertou as autoridades para o desaparecimento da familiar junto ao rio Ave, mas tudo não passou de um susto, já que esta foi encontrada a descansar numa das margens.

Mais de uma dezena de bombeiros da corporação da Trofa tentavam encontrar uma mulher nas águas do rio Ave. O alerta foi dado às autoridades pela família às 14.29 horas de sábado, dia 4 de junho. Sem notícias da mulher há mais de uma hora, e ao encontrarem o seu carro com os vidros abertos junto ao rio ave e os seus chinelos esquecidos na margem os familiares chegaram a temer o pior. De acordo com Filipe Coutinho, 2º comandante dos Bombeiros Voluntários da Trofa, os familiares receavam tratar-se de “uma tentativa de suicídio”.

“Quando foi dado o alerta, acionámos de imediato os meios disponíveis no quartel. Enviámos para o local uma ambulância e dois elementos para iniciarem as buscas apeadas nas margens do rio. No espaço de dez minutos, tínhamos também no rio a equipa de socorros a náufragos, composta por dez bombeiros, auxiliados por um barco”, explicou o responsável.

No entanto, tudo não passou de um susto, já que a mulher foi encontrada menos de uma hora depois, a repousar à sombra “a menos de 500 metros do local, onde supostamente se teria atirado à água”. De acordo com o 2º comandante, a “mulher estava consciente, mas não colaborava” com as autoridades, mostrando sinais de “convalescença”. Quando os bombeiros a encontraram, a mulher estava “molhada até à cintura”, indicando que estivera dentro de água, mas “estava bem”. “Mesmo os pescadores que estavam nas margens do rio não se aperceberam se a mulher se teria atirado ao rio”, acrescentou.

Depois de ter sido assistida no local, a mulher foi transportada para a unidade de Vila Nova de Famalicão do Centro Hospitalar do Médio Ave.

 

{fcomment}