Feira de Stocks foi “um sucesso”. Milhares de pessoas visitaram o espaço e os comerciantes trofenses ficaram satisfeitos com a iniciativa.

 Vestidos de noiva com preços superiores a mil euros podiam ser comprados por 150 euros. Roupa de cerimónia de qualidade superior a apenas 20 euros. Calçado de marca para adultos e crianças com 80 por cento de desconto. Peças de vestuário para criança intemporais e “sempre na moda” estiveram à venda com preços a partir de cinco euros. Peças decorativas únicas, tapetes e tecidos para decoração chamavam a atenção de quem entrava no armazém da Travessa das Indústrias, em Santiago de Bougado, durante este fim-de-semana. Foram milhares as pessoas que visitaram a Feira de Stocks, promovida pela AEBA (Associação Empresarial do Baixo Ave), com o apoio da Câmara da Câmara Municipal da Trofa.

Crisália Pereira é de Santiago de Bougado e três horas depois da abertura da Feira já tinha as mãos ocupadas com vários sacos com compras. “Não comprei em todas as lojas, porque também não posso, mas os preços são muito bons e compensa”, afirmou. Emília Lourenço veio de Vila Nova de Famalicão e ficou contente com o que encontrou na Trofa: “É sem dúvida uma boa iniciativa”. “Tem preços muito apelativos e peças que, realmente, valem a pena aproveitar”, acrescentou.

Os comerciantes trofenses também parecem satisfeitos com este tipo de iniciativas, que permitem escoar produtos e divulgar as lojas. Ana Ferreira, responsável da loja Noivíssima por Laura Ferreira, mostrou-se “muito satisfeita” com a procura dos clientes e ainda estavam a decorrer as primeiras horas do certame. “Para quem vende, estes preços cortam o coração, mas compensam porque são mercadorias que estão a ficar um bocadinho paradas”, revelou.

Próximo do espaço da Noivíssima, estavam expostos os produtos das Decorações Anete. Esta foi a primeira vez que o estabelecimento de decoração participou na Feira de Stocks e António Azevedo, responsável da loja, garantiu que “tudo ajudava” ao negócio, desde “o espaço ao ambiente”. “Os produtos apresentados não estavam à venda a preços mais baixos por não terem qualidade, mas por falta de oportunidade e aqui (Feira dos Stocks) as pessoas vêm com o intuito de comprar”, esclareceu. Do outro lado do armazém, as lojas de vestuário e calçado para criança ocupavam grande parte do espaço. O local da Cob Kids era pequeno para a quantidade de clientes que queriam ver e comprar os produtos e Teresa Ramalho não podia estar mais satisfeita: “A iniciativa superou as expectativas”. A loja de roupa para os mais novos está situada em Lantemil, Santiago de Bougado, e esta foi uma oportunidade para “divulgar” o espaço, já que “as pessoas querem saber onde fica para fazer uma visita”. A Cob Kids já tinha estado presente na edição anterior da Feira de Stocks e Teresa Ramalho apontou “melhorias”, sobretudo “no espaço, que permite a presença de mais lojas, o que atrai mais clientes”. Também Alice Borges, responsável da sapataria Estilo Descontraído, queria “dar a conhecer” a loja que abriu as portas no final do ano passado. “Desta forma, os trofenses percebem que não é preciso sair da Trofa para comprar artigos de marca e com qualidade”, frisou.

Depois de entregar os certificados de participação a todos os logistas, Manuel Pontes, presidente da AEBA, explicou que o objectivo da Feira de Stocks passava pelo “apoio ao comércio tradicional, especialmente em época de crise”. “Por vezes, as lojas têm os chamados ‘monos’, mas que valem dinheiro e têm qualidade. Para serem vendidos têm de ser mostrados e a Feira serve para isso mesmo”, acrescentou, fazendo um “balanço francamente positivo” do evento.

Opinião semelhante tinha Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, que fez um apelo a todos os trofenses: “Comprem na Trofa, porque isso é essencial para o desenvolvimento da nossa economia local”. “Iniciativas como estas têm de continuar a existir e são de louvar, porque há vontade por parte dos comerciantes de participar”, acrescentou a autarca.

A Feira de Stocks decorreu ao abrigo do programa MODCOM, que tem como objectivo modernizar e dinamizar o comércio tradicional.