Rui Rio insurgiu-se contra o atraso das obras das linhas da Trofa, Gondomar, da zona ocidental do Porto (Boavista) e da extensão de Gaia até Laborim e acusou o governo de "incumprimento grave" no que respeita a estas empreitadas.

   Depois de uma reunião da Junta Metropolitana do Porto, o presidente Rui Rio manifestou-se contra o governo, considerando "grave" o "incumprimento" no que respeita à extensão do metro do Porto. Rio afirmou que "desde o dia 30 de Junho que o Governo está em incumprimento com a JMP" e que o "acordo assinado com o ministro Mário Lino, que contou com a presença do primeiro-ministro, está claramente por cumprir", deixando a esperança de ver a situação resolvida até Setembro.

Rui Rio insurgiu-se contra o atraso das obras das linhas da Trofa, Gondomar, da zona ocidental do Porto (Boavista) e da extensão de Gaia até Laborim. Ou seja, está em causa o "incumprimento" pelo governo do memorando de entendimento assinado a 21 de Maio de 2007, que, além de definir a nova composição do Conselho de Administração do Metro do Porto, prevê as obras que incluem a segunda fase do metro portuense.

O presidente da JMP entende que este assunto, "dada a gravidade não deveria ser tratado antes da entrada no período de férias" e espera que o Governo "até Setembro, dê autorização para as obras que se comprometeu e não cumpriu".

No sítio da Área Metropolitana do Porto, (http://www.amp.pt/) surge um apontamento sobre o assunto em que é referido que o executivo da JMP "preferia assim evitar uma polémica em época de férias, ao mesmo tempo que, desta forma, a JMP dá mais algum tempo ao Governo para avançar, entretanto, com a autorização de construção das novas linhas previstas no referido memorando". Na página da internet lê-se ainda que "questionado pelos restantes autarcas presentes na reunião (da JMP) sobre o não agendamento deste ponto, o Presidente da JMP comprometeu-se a regressar a este tema logo em Setembro, acreditando que, entretanto, o Executivo de José Sócrates poderá avançar com as obras da segunda fase do projecto do Metro do Porto, cuja data de implementação já expirou".