O Metro do Porto é um sistema de transportes públicos, que nasceu para servir as populações da Área Metropolitana do Porto, e mais concretamente os Concelhos da Maia, Matosinhos, Porto, Póvoa de Varzim, Trofa e Vila do Conde. Para a fase seguinte, a rede seria alargada para os Concelhos de Gaia e Gondomar.

O que estava planeado e projetado para a 1ª fase e depois para a 2ª fase, tudo foi construído, exceto a ligação à Trofa, cuja população ficou sem o comboio, desde 2003, com base na promessa de ligação do Metro, que seria incluída na 1ª fase. Até hoje. Há cerca de 10 anos a ligação ferroviária entre a Trofa e a estação da Trindade, no Porto, foi eliminada e as populações ficaram sem o seu transporte habitual, que já tinham há cerca de um século.

Aquando da sua construção, o Metro do Porto foi considerado o maior projeto de obra da União Europeia, devido à edificação simultânea de várias linhas, num total de 60 quilómetros, onde estava incluída a ligação à Trofa. A primeira linha do Metro do Porto foi a ligação de Matosinhos à Trindade (linha A). A segunda linha do Metro do Porto (linha B) aumentou a rede em quase 7 quilómetros, ligando Pedras Rubras ao Estádio do Dragão. Esta nova linha usa o canal ferroviário da linha que ligava a Póvoa de Varzim ao Porto, entretanto convertida na totalidade em Metro de superfície.

Pouco tempo depois, foi inaugurada a ligação (linha C), que chegou até ao centro da Maia, o que significou um novo aumento de 6 quilómetros, grande parte construída através do canal ferroviário da Trofa. Pouco anos mais tarde, foi efetuada a ligação entre as estações do Fórum da Maia e ISMAI, numa extensão de 4,5 quilómetros, embora tivesse sido aprovado anteriormente a ligação até à Trofa e anunciada a construção deste troço de 10 quilómetros, mas até hoje nada foi construído. A linha do Metro para a Trofa, que estava planeada para 2003, era anteriormente efetuada pela CP, mas o caminho-de-ferro foi arrancado em 2002. Ainda hoje os trofenses estão à espera da chegada do Metro.

Entretanto foi feita a ligação (linha D) do centro de Vila Nova de Gaia ao extremo Norte do Concelho do Porto, junto ao Pólo Universitário, na extensão de 5,7 quilómetros. Existiram sérios constrangimentos nas escavações do túnel, no centro do Porto para além de ter obrigado à construção de uma nova travessia rodoviária sobre o Rio Douro – a Ponte do Infante – uma vez que o tabuleiro superior da Ponte D. Luís teve de ser fechada ao trânsito automóvel e convertido para o Metro. Também foi feita a ligação entre o Pólo Universitário e o Hospital de S. João, na extensão de 1,2 quilómetros, com pequenos melhoramentos para o acesso à Escola Superior de Enfermagem.

Pouco anos mais tarde foi concluída a primeira fase da rede, sem a ligação à Trofa, entrando em funcionamento a ligação (linha E) da Baixa do Porto ao Aeroporto Sá Carneiro, numa extensão de quase 1,5 quilómetros.

O Metro do Porto, que foi inaugurado em 7 de dezembro de 2002, fez há poucos dias 10 anos, tem 6 linhas, 67 quilómetros e 81 estações. Em 10 anos, o Metro do Porto já transportou 380 milhões de pessoas e percorreu mais de 53 milhões de quilómetros, equivalente a ter dado 1.337 voltas à Terra. Um sucesso manchado pela falta da ligação ISMAI/Trofa, que é uma “nódoa” que não sai com benzina. A crise é uma desculpa, pois ninguém acredita que se esta ligação fosse localizada em Lisboa, não estivesse já concluída. O que existe é uma falta de vontade política. Isso sim!

José Maria Moreira da Silva

moreira.da.silva@sapo.pt

www.moreiradasilva.pt