Muito se tem falado sobre a Linha de Metro à Trofa e os seus sucessivos atrasos, mas entre acusações, anúncios de supostos pactos inexistentes e infundados e muitas mentiras, poucas verdades se têm dito.

teresa-fernandes.jpgE porque o momento para esclarecimentos é este, vamos então falar verdade.

A história do Metro à Trofa é longa e pautada por vários atrasos, desde que nos suprimiram a via estreita de ligação ao Porto com o objectivo de este traçado servir de canal para a vinda do Metro à Trofa.

O projecto da Rede de Metropolitano, na Grande Área Metropolitana do Porto, contemplava logo na primeira fase o canal de ligação à Trofa.

Desde 2002, devido à indecisão quanto à vinda do Metro em via dupla ou simples, que a obra se encontra suspensa com graves prejuízos que daí advém para a população que se viu privada de um serviço com a promessa de outro que até hoje não aconteceu.

Passaram-se vários anos e outros tantos governos e tudo continuou num impasse, nomeadamente após um período em que o Governo era PSD, a Junta Metropolitana do Porto maioria PSD e a Câmara Municipal da Trofa PSD, e neste contexto, segundo alguns, tudo estaria de feição para servir os interesses da Trofa!

E afinal o que foi feito durante este período tão propício para o projecto do Metro à Trofa avançar?

Ora, a Junta Metropolitana do Porto (maioria PSD), era responsável pela empresa Metro do Porto, e constituída pelos presidentes das câmaras municipais de cada um dos municípios integrantes, da qual a Trofa faz parte.

Então não seria natural o Dr. Bernardino Vasconcelos exercer pressão sobre os restantes autarcas (muitos do mesmo partido) e definitivamente avançar com o projecto do Metro à Trofa?

A verdade é que pouco ou nada foi feito, e perante este estado de estagnação, o governo alterou o modelo de gestão da empresa Metro do Porto e passou a possuir a maioria do capital, chamando a si as responsabilidades do projecto do Metro para a Área Metropolitana do Porto.

Isto aconteceu em 21 de Maio de 2007 e no memorando assinado pela Junta Metropolitana do Porto e pelo Governo está escrito o seguinte: "caso em Janeiro de 2008 se verifique a impossibilidade de lançamento do concurso global e se perspective um atraso superior a seis meses para o lançamento, deverão, ser lançados os concursos de empreitada para as seguintes linhas, desde que estejam reunidas as condições necessárias: a) Linha da Trofa (ISMAI-Pateiras): b) Linha da Boavista."

Ora, só que para espanto de muitos, os projectos e estudos necessários para o arranque da Linha de Metro à Trofa não estavam prontos!

Mas, afinal estando a Linha de Metro à Trofa prevista logo na 1ª fase, não deveria a Junta Metropolitana do Porto ter tudo já preparado para avançar rapidamente com o projecto, quando o Governo assumiu os destinos da empresa Metro do Porto?

Estranho também o facto da Câmara da Trofa ter espalhado pelo concelho grandes cartazes anunciando "Metro à Trofa: Resolvido", quando ao que tudo indica ainda faltavam alguns passos importantes e imprescindíveis para sim estar resolvido.

Sou membro do secretariado da Comissão Politica Concelhia do PS Trofa, acompanhei de perto todo este processo, tal como os outros membros do secretariado, nas nossas reuniões semanais e somos testemunha do empenhamento da Drª Joana Lima, como responsável local do PS e como deputada da Assembleia da Republica para a resolução deste processo.

Demonstrando mais uma vez que os interesses da Trofa e dos Trofenses estão acima de tudo, a Drª Joana Lima apresentou requerimentos, pediu esclarecimentos, exerceu pressões junto dos membros do Governo e dos responsáveis do partido, chegando inclusive a solicitar ao Ministro Mário Lino a resolução rápida do projecto do Metro à Trofa, não só pela necessidade urgente da construção da ligação que em muito servirá as gentes da Trofa, mas também porque esta é uma promessa por cumprir.

Porque a oposição, muitas vezes se faz não com barulho mas com trabalho, determinação, calma e empenho, o Partido Socialista tudo fará para que a ligação do Metro à Trofa, seja uma realidade não só no papel e em cartazes, mas no terreno.

E para os que andam distraídos e acreditam que as obras publicas passam ao lado da Trofa, importa relembrar algumas aspirações antigas dos Trofenses e que são hoje realidade graças ao Governo de José Sócrates: Variante Ferroviária do Minho a todo o gás, variante Rodoviária à EN14 já anunciada e em bom andamento, Metro da Trofa desbloqueado finalmente devido à acção deste governo, Portugal Logístico com a plataforma logística Maia/Trofa e no campo social com o Programa PARES, 5 novas creches, jardim de infância e centro de dia, alguns a abrir já este mês.

Talvez a verdade incomode, mas tem de ser dita.

 Teresa Fernandes