"Uma visita de médico"para combinar uma visita de deputados e ex-membros do Governo PSD". Foi desta forma que Luís Filipe Menezes, líder do PSD caracterizou a sua passagem pelo Hospital da Trofa, esta segunda-feira, onde foi recebido pelo presidente da Unidade de Saúde e pelo líder do PSD Trofa Bernardino Vasconcelos.

Luís Filipe Menezes louvou o investimento que o Hospital da Trofa tem feito não só na sua unidade da Trofa mas em todos os concelhos onde o Grupo Trofa Saúde está a implementar os seus serviços e prometeu uma visita, agendada para a próxima semana para conhecer melhor este projecto de saúde privado.

O presidente do PSD adiantou que na visita em que deverão participar deputados do PSD na Assembleia da República e alguns ex-membros do Governo "vamos aproveitar para falar sobre o que pensamos que deve ser a política de gestão do sector da saúde".

Menezes acusou o Governo de estar a desenvolver "uma política de saúde de encerramentos e aparentemente o que os motiva são questões meramente economicistas. Todos sabemos que nomeadamente no que diz respeito ao fecho das urgências, estamos a falar de serviços que estão a funcionar com o apoio na substituição daquilo que é a falência dos cuidados de saúde um pouco por todo o lado".

Menezes defendeu que é necessário que "todos os portugueses tenham acesso ao médico de família e aos cuidados primários de saúde, antes de se tomar a decisão de fechar as urgências", asseverou.

O líder do PSD defende " um Estado social em que todos tenham direito a cuidados de saúde baratos ou até gratuitas, mas tal não significa que o prestador de serviço de saúde seja só e exclusivamente um hospital público", admitindo que ", um hospital como este (Hospital da Trofa) deve estar aberto a qualquer cidadão e deve ter aqui as mesmas condições de acesso a todos como num hospital público".

Menezes foi mais longe afirmando "não faz sentido que o Estado esteja a pagar alguns euros por um consulta no Hospital de Santo Tirso ou Famalicão,e não pague a mesma quantia aqui no Hospital privado a um cidadão que faz os mesmos descontos", frisou.

Por seu lado José Vila Nova mostrou-se satisfeito "com o reconhecimento do trabalho de qualidade que está a ser desenvolvido pelo Hospital da Trofa e pelo Grupo Trofa Saúde", lamentando no entanto que "o sistema Nacional de Saúde esteja a tornar-se insuficiente".

José Vila Nova garantiu que "neste momento os nossos volumes de facturação superam as nossas melhores expectativas, hoje estamos já com falta de espaço.

Triplicar a área das urgências e aumentar a capacidade de internamentos são dois dos objectivos mais prementes assinalados pelo presidente do conselho de Administração do Hospital, adiantando ainda o reforço da presença do Grupo Trofa Saúde em Lisboa, com a aquisição de um Hospital com 80 camas, os acabamentos do Hospital de Albufeira e da Boa Hora em Matosinhos, as obras do Hospital de Braga e na área da imagiologia com a aquisição de empresas na Maia, na Povoa, em Guimarães. Outro dos projectos do Grupo é a abertura ainda este ano do Hospital de Dia em Famalicão.