Aproximava-se o término do ano de 1952 e comunidade trofense registava mais um momento fundamental para o seu progresso. A indústria dava os seus passos de gigante para consolidar a identidade de cidade progressiva, sendo que a atividade económica não se esgotava, simplesmente, no setor secundário, pois a agricultura demonstrava, igualmente, sinais de vitalidade.
Nesse momento da história, era inaugurado mais um posto de seleção de sementes da Federação Nacional dos Produtores de Trigo, esse projeto megalómano da agricultura nacional, que iria encerrar mais um marco da sua implementação naquele território.
Seguramente que os leitores já ouviram falar do velho celeiro, do equipamento onde se treinava ginástica com as cores do desaparecido “Ginásio da Trofa” ou até mesmo a Banda de Música ensaiava, que iria ser local dinamizador da comunidade.
No referido equipamento, em 1952, era inaugurado um posto de seleção das sementes, o 22.º na história da empresa, reforçando a importância estratégica daquele equipamento que, além de ser um simples local de armazenamento de cereais, seria também onde as sementes seriam escolhidas para existir melhor aproveitamento e rentabilidade do negócio agrícola.
Oito de novembro de 1952 foi a data da inauguração daquela nova valência, concretamente o novo posto de seleção mecânica de sementes de trigo e centeio.
O 22.º posto da FNPT destinava-se à seleção de sementes de trigo de diversas variedades: maia e malagueija, variedades estas mais comuns na extinta região administrativa denominada entre o Douro e Minho e também no Minho.
Numerosos lavradores estiveram presentes, não somente naturais da Trofa, mas também oriundos de Famalicão, Santo Tirso, Braga, Guimarães, Matosinhos, Vila do Conde, entre outros territórios, atestando que aquela melhoria não iria servir somente a Trofa, mas um grande número de lavradores de regiões a algumas dezenas de quilómetros.
A colocação de um equipamento agrícola que seria utilizado numa escala de âmbito extra-local é um sinal inequívoco da importância económica que aquela situação representava e uma constatação do vigor que apresentava o setor primário e não somente o setor secundário.
Escrevia-se no órgão de comunicação mensal da Federação Nacional dos Produtores de Trigo que a Trofa e o desenvolvimento eram sinónimos.
O referido equipamento agro-industrial era único entre Douro e Minho e tinha a capacidade de escolher por hora até os 700 quilos de semente.
Uma última curiosidade para a alusão do nome da máquina, que era batizada com o nome de Dr. João Antunes Guimarães, em homenagem a um dos maiores impulsionadores para a afirmação da campanha do trigo e que tinha falecido pouco tempo antes daquele momento histórico.
Por fim, a confirmação da evolução em mais que uma vertente da economia local, considerado na imprensa nacional como uma terra progressiva que teve o privilégio de ter sido o primeiro posto da escolha de sementes daquela instituição agrícola nacional. Reforçando a importância do antigo celeiro que não se resumia somente a ser um mero local de armazenagem, mas, um local fundamental para a maior rentabilidade agrícola com a seleção de todas as sementes a ser realizada ali naquelas instalações.