O desfile das marchas é o ponto alto das festas em honra de S. João Baptista, em Guidões, que decorrem este fim de semana, dias 23 e 24 de junho.

A Festa em Honra de S. João Baptista, padroeiro de Guidões, este ano esteve para não se realizar. Foram as marchas e a preocupação do presidente de Junta de Freguesia, Bernardino Maia, que motivou a criação de uma Comissão de Festas, constituída por Américo Ramos, Manuel Santos, Miguel Santos e João Martins.

O pouco tempo que tiveram não deu para organizar a habitual festa, mas, mesmo assim, a tradicional cascata de S. João Baptista, no Regato de Vilar, as marchas, o fogo de artifício e a majestosa procissão vão manter-se. Cinco marchas, do lugar de Vilar, Cerro, Póvoa, Outeiro e Bicho, vão animar a noitada de sábado, 23 de junho, pelas 21.30 horas. Mas antes das suas atuações há “uma surpresa no recinto”. No final, haverá uma sessão de fogo de artifício, pelas 00.30 horas.

Américo Ramos salientou que os únicos júris que avaliam o desempenho das marchas é a própria comunidade, que, segundo os seus gostos, vai julgar cada interpretação. Na sua opinião, ainda bem que não existe nenhum júri a pontuar as marchas, pois isso poderia fazer com que elas terminassem. A parte religiosa não foi esquecida, estando reservada para o domingo. O dia começa pelas 8 horas, com uma eucaristia. Já às 11 horas, há uma missa solene em honra de S. João Baptista, que será abrilhantada pelo Grupo Coral de Guidões. De tarde, há a entrada da Fanfarra de Santa Maria de Alvarelhos, seguida da majestosa procissão, com início às 15 horas, que conta com a participação de 11 andores. As festas encerram com a atuação da fanfarra Santa Maria de Alvarelhos. Segundo Américo Ramos este ano as festas tem um orçamento de apenas 50 por cento do valor gasto em anos anteriores, uma vez que a festa não contará com a participação de artistas, mordomos, mastros, nem a Igreja estará iluminada.

O facto de a festa realizar-se na data da noitada de S. João, não preocupa a Comissão de Festas, que recordou que esta seria a 5ª vez que as festas decorriam nessa data e, que mesmo assim, foi “uma noitada muito grande, onde apareceram milhares de pessoas”. Uma situação que Américo Ramos quer que se repita este ano. Apesar de ter sido um “mês muito pesado” para a população guidoense, com a comunidade a fazer peditórios para as marchas, andores e festas, o membro da comissão garante que os guidoenses “colaboraram bem”, felicitando-os pelo trabalho desenvolvido em prol das comemorações. 

{fcomment}