Antigos e atuais moradores do Paranho promovem, no sábado, um convívio de forma a celebrar a noite de S. João dia 23 de Junho. Os mastros já foram erguidos e as fitas já estão a engalanar as ruas.

No Paranho, S.Martinho de Bougado, as operações de montagem do arraial de S.João já decorrem há várias semanas. A música, o vinho, as sardinhas e a cascata… nada foi esquecido por um grupo de pessoas que pretende “recordar os tempos da meninice e reforçar os laços de amizade, fraternidade e solidariedade que a todos unia, nesses tempos longínquos”. Antigos e atuais moradores das Ruas Alves da Cunha, Gil Vicente, Joaquim Costa Azevedo e Filipa de Vilhena, no Paranho, são os responsáveis pela organização do primeiro convívio, que será realizado na véspera do S. João, numa autentica noitada sanjoanina.

“O Paranho era uma das aldeias que fazia sempre o S. João. Quer na rua Joaquim Costa Azevedo quer na rua Alves da Cunha. Preparava-se o S. João, preparava-se cascata, já naquele tempo havia alguns bonecos movimentados”, declarou Joaquim Azevedo, um dos organizadores do convívio. Sendo um convívio que tem como pano de fundo o S. João, não irá faltar “sardinhada, vamos ter umas barriguinhas, broa, tudo o que é inerente ao S. João, inclusivamente Caldo Verde” assegurou Joaquim Azevedo.

Para esse dia está marcada uma missa para as 11 horas, na Igreja Matriz de S. Martinho de Bougado, de seguida haverá concentração na Rua Alves da Cunha,que será vedada ao trânsito, onde se realizam vários jogos que fazem relembrar os tempos de antigamente, como por exemplo, o jogo da malha, corda, lencinho cai cai, bogalhinha, sai sapo, entre outros. 

A partir das 19 horas, começam a ser servidas as sardinhas assadas, e outras iguarias que, de acordo com Joaquim Azevedo “terão preços simbólicos porque esta atividade não tem fins lucrativos. É uma festa, é um convívio”, declarou. Os elementos da organização pensaram em tudo. “Vamos ter a cascata com movimento que é um dos símbolos desta festa. Depois temos música alusiva ao S. João, inclusivamente nós comissão e moradores vamos cantar uma canção que já temos preparada relacionada com este momento, com esta atividade.” Embora este convívio fosse inicialmente reservado aos antigos e atuais moradores do Paranho, Joaquim Azevedo adianta que todos são bem-vindos para festejar o S. João “É um convívio aberto a toda a gente” concluiu.

{fcomment}