A Maganha recebeu centenas de pessoas no fim-de-semana para festejar o S. Pedro. As Marchas foram o ponto alto das comemorações.

Luís Cruz teve, na noite de sábado, o papel principal nas Marchas de S. Pedro da Maganha. Encarnou S. Pedro, padroeiro das festas. “Nunca tinha feito isto, no início estava nervoso, mas depois já fiquei mais aliviado”, confessou quando as marchas terminaram. A experiência correu tão bem que este bougadense espera repetir a façanha “para o ano”. A Festa de S. Pedro da Maganha “é uma coisa boa, porque diverte o pessoal”, declarou.

As marchas são o ponto alto das Festas da Maganha. No largo com o nome do santo padroeiro, várias gerações juntam-se para brindar S. Pedro com as suas danças e cantigas.

Bia tem quatro anos e gostou das roupas e de dançar. Quando confrontada com a pergunta “para o ano queres ir outra vez nas marchas?”, a resposta não se fez esperar: “Sim!” Apesar de já não ser estreante, este ano foi a primeira vez que Márcia Crespo dançou, porque noutros anos levou a bandeira. Márcia achou a noite de sábado “muito divertida” e as roupas “lindas”. A adolescente de 13 anos promete continuar a participar “enquanto puder”. Conceição Ferreira é de Bairros, mas faz questão de participar, porque “é uma festa muito bonita”, que “deve ser mantida”.

A coordenar os marchantes, que este ano foram cerca de 80, esteve Cristina Sá, que para além de ensaiadora, foi também a responsável pelo vestuário. Na noite anterior às marchas dormiu “só uma hora”, mas garante que “valeu muito a pena, porque quem anda por gosto não cansa” e “toda a gente ajuda”. “Faço tudo por eles”, declarou.

O S. Pedro da Maganha é uma romaria promovida pela Associação Recreativa S. Pedro da Maganha, que realiza a festa com o objectivo de angariar fundos para comportar as despesas da associação. António Castro é o presidente da colectividade e acredita que a festa correu “muito bem”, com mais público do que estava à espera: “O recinto esteve praticamente cheio, o que foi óptimo”.

Para além do sucesso da festa, as equipas da associação, tanto em futsal como em pesca, estão a “atingir os objectivos” delineados.