Ratos e ratazanas invadem as casas e terrenos dos moradores da Rua Manuel Silva Pinheiro, que têm como "vizinho" um amontoado de lixo num terreno, aparentemente, abandonado. A situação já se arrasta há cerca de cinco anos e os moradores sentem-se "desesperados".

   As queixas e pedidos de resolução do problema, são muitos e remetidos para várias entidades, mas sem obter qualquer resposta, os moradores da Rua Manuel Silva Pinheiro, na freguesia de S. Martinho de Bougado, sentem-se "desesperados". Há cerca de cinco anos , que vêm ratos e ratazanas invadirem os seus terrenos e casas devido ao amontoado de lixo num terreno, aparentemente, abandonado.

"Eu quero ter galinhas, por exemplo, e não posso porque os ratos matam-me as galinhas. Quero ter a porta aberta e não posso porque tenho medo que os ratos me entrem pela porta dentro, porque já uma vez um rato entrou dentro de minha casa e eu tive muitas dificuldades para o apanhar", afirmou Albertina Silva, moradora.

A morar há cerca de três anos na casa ao lado da "lixeira", Albertina Silva diz já ter feito reclamações à Junta de Freguesia de S. Martinho de Bougado, mas o problema continua: "Muitas vezes vêm os carrinhos com lixo das Máquinas Pinheiro para aqui, eu não vejo tudo porque não estou em casa todo o dia, mas o lixo está ali e alguém tem de se responsabilizar", afirmou.

João Silva, também morador na mesma rua, queixa-se do mesmo: "dentro do meu quintal as ratazanas comem-me tudo", confirmou."Já comuniquei com o Engenheiro Castro (responsável pelas Máquinas Pinheiro) que fez, uma vez, a limpeza. Agora disse não fazia mais porque aquilo não era dele, mas continua a deitar lixo para lá. Disse-me ainda que o terreno foi vendido a uma empresa, e eles vieram cá para tirar fotografias e não fizeram nada, resultado: disseram que aquilo era dos Coelhos, se é dos coelhos não sei, mas dos ratos sei que é", ironizou.

Os dois moradores queixam-se ainda da falta de limpeza nas valetas da Rua Manuel da Silva Pinheiro e dizem ser "esquecidos" no que toca à limpeza das ruas. "Quando chove a rua fica alagada, cheia de lama e lixo", confessou Albertina Silva.

O NT falou com Miguel Pinheiro, um dos responsáveis pela empresa Máquinas Pinheiro que confessou desconhecer o caso. Mas mais tarde, e depois de confirmar que a sucata e o ferro eram depositados pela sua empresa, garantiu ao NT que "amanhã, (quinta-feira) por voltas das 14 horas, a empresa Abel Pinheiro dos Santos, Lda vai retirar de lá o lixo".