A modista deu lugar à estilista, o alfaiate ao costureiro, o barbeiro ao cabeleireiro, a decoradora à arquiteta de interiores, o escudo ao euro, o contínuo ao auxiliar técnico de educação, o negro à minoria, o governante ao político, o império a uma “coisa” e depois a uma província da Europa, o Nandinho, em tempos paneleiro, agora é gay.

Mas a mais importante conquista foi o “Politicamente correto”, que nos permite sorrir durante uma sodomização coletiva!

Mas nada disto me arrelia! Pois eu tenho uma vidinha!

(…)

Esta crónica só pode ser lida integralmente na edição impressa do jornal ou através da edição disponível para assinaturas online. Mais informações aqui