O Lar Padre Joaquim Ribeiro celebrou o seu primeiro aniversário esta segunda-feira. Num almoço intimista, os utentes, colaboradores e direcção da instituição comemoraram o "sucesso" do primeiro ano de actividade e anunciaram a criação de uma creche nas instalações da instituição até ao final do ano.

   "Depois de um ano passado, não está tudo feito, ainda há muitos pontos por limar, muitos projectos por realizar, mas podemos dizer que já desanuviamos as dificuldades, acreditamos que era um projecto possível e agora estamos sobretudo contentes porque criamos junto dos utentes, que são as nossas principais preocupações, um ambiente familiar, onde se podem sentir como se estivessem em casa", afirmou Luciano Lagoa, presidente do Lar Padre Joaquim Ribeiro e pároco da freguesia de S. Martinho de Bougado.

"Os colaboradores têm sido um alicerce forte desta casa", afirmou o pároco, que acrescenta que os 20 funcionários "não estão aqui só pelo que ganham, mas também porque gostam de aqui trabalhar e a direcção está também agradada com a resposta que temos".

Com 28 utentes em regime permanente, Luciano Lagoa espera em breve conseguir atingir a capacidade máxima desta valência, 35 utentes. "Também temos aqui a funcionar um centro de dia, que tem, neste momento, 10 utentes, mas esse número ainda pode aumentar, temos espaço para progredir nessa oferta", adiantou Luciano Lagoa.

Animados, os utentes cantaram e dançaram ao som das suas próprias músicas e animaram os presentes. José Torres, um dos utentes do lar, disse não estar a mentir quando mencionou a simpatia e a atenção com que era tratado e acrescentou: "Se não gostasse de estar aqui, tinha capacidade para assinar os papeis e ir embora, mas eu estou contente, são muito simpáticos e prestáveis e não tenho razões de queixa".

"Aqui sinto-me como se estivesse num hotel", disse ao NT Candida Sousa, que apesar de considerar que "há ainda coisas a corrigir, como em todos os sítios", gosta de frequentar a instituição. Estar perto dos filhos, que moram no centro do concelho, ter alguém que cuide da sua saúde quando adoecer e ter companhia, são alguns dos motivos que a fizeram vir para o lar. No entanto, não é utente em regime permanente: "Não estou a tempo inteiro, embora tenha um quarto, só durmo quando quero, como quando quero, apenas tenho de avisar. Faço a minha vida ainda lá fora, porque me sinto na obrigação de ajudar os meus filhos e netos, enquanto poder ajudo-os e venho aqui para o lar". Para além de frequentar o lar como utente sente-se "realizada por ajudar também os que mais precisam e esta é também uma forma de estar mais acompanhada e estar junto dos que mais precisam. Sinto-me realizada assim!", reiterou.

O Lar Padre Joaquim Ribeiro prevê para o final deste ano a criação de uma creche. "Já fizemos o projecto e enviamos a candidatura ao programa PARES (Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais), estamos agora à espera do Governo", adiantou Luciano Lagoa. A creche acolherá entre 50 a 60 crianças da freguesia de S. Martinho de Bougado e vai funcionar no andar de baixo das instalações do lar.

As comemorações do primeiro aniversário do lar terminam no domingo com uma sessão solene, a decorrer nas instalações por volta das 17 horas e conta com a presença do presidente da Câmara, pessoas ligadas à actividade da instituição e será aberta a toda a população. No final, pelas 19 horas na Igreja Nova será celebrada uma eucaristia.