quant
Fique ligado
atanagildolobo atanagildolobo

Ano 2012

«Ao longo da nossa história, várias vezes perdemos a nossa soberania…

Publicado

em

…e nunca foram as classes dominantes que a recuperaram. Foi sempre o povo com a sua luta, que a recuperou». Jerónimo de Sousa

Quem viu o último programa da “RTP Informação” denominado “Ordem do Dia”, reparou que Paulo Rangel, ilustre figura do PSD, não se cansou de adjetivar de marxista-leninista o conjunto de direitos que ainda existe na Constituição e na lei para o trabalhador. Notou-se em Rangel o ajuste de contas com o 25 de Abril, com as conquistas sociais do povo português e o verdadeiro motivo que está por detrás deste dito acordo de concertação social, que, de acordo nada tem, pois não tem uma só medida, uma só, que resulte a favor do trabalhador, não passando de uma imposição ditatorial das troikas. É também extraordinário o esforço, o jogo de cintura e o chorrilho de aldrabices de que se socorrem eminentes politólogos para tentar justificar o injustificável: de que as mais recentes nomeações dos altos cargos não resultaram de escolha partidária e de que o critério aplicado foi apenas o da competência. É de rir a não mais poder, não fossem as consequências desastrosas destas políticas que empobrecem os portugueses e o país. «O grande banquete da pátria…» como refere Clara Ferreira Alves «…está a ser servido aos senhores feudais…» constituído por centenas de cargos principescamente remunerados com milhares de euros e que são sucessivamente redistribuídos consoante quem dirige a orquestra: PSD, CDS ou PS. Como se pode acreditar em políticos e partidos que ainda há bem pouco, alguns meses, diziam determinadas coisas na oposição, prometeram outras coisas na campanha, e fazem tudo ao contrário no governo? Assim vão Coelho e Portas.

Durante o passado ano de 2011, por diversas vezes prevenimos para os resultados a que nos conduziriam as políticas, primeiro do PS, e, posteriormente, da Troika estrangeira e nacional, constituída por PSD, CDS e PS. Alertamos para o facto de os portugueses ao conferirem o mandato a essa gente estarem a dar um tiro no pé, a contribuírem para o seu empobrecimento, a caminharem inexoravelmente para dias cinzentos e tristes de uma autocracia depauperada, caquética e sem futuro para os trabalhadores e para os pequenos e médios empresários. Infelizmente a história tem vindo a dar-nos razão. Os ideólogos da direita ao serviço da classe dirigente não desarmam e continuam insistentemente, aproveitando os grandes meios de comunicação que detêm, com a propaganda da inevitabilidade, do tem-de-ser, da aceitação da desgraça, do «eles é que mandam, nada podemos fazer». Cavaco Silva, volta e meia, parece rebelar-se, apela à equidade, à distribuição dos sacrifícios, parecendo não se enquadrar com a política seguida. Mas nada faz e acaba por se ficar no apelo à coragem dos portugueses. Aí estou de acordo com Ricardo Araújo Pereira ( gato fedorento ) ao considerar Cavaco Silva o pior político de Portugal. Vinte anos no poder, dez como primeiro-ministro e dez como presidente da República nos últimos 26 anos, e Portugal chegou ao estado que chegou. O que andou a fazer Cavaco Silva? Sabe-se agora que os dez mil euros que recebe mensalmente são insuficientes para as suas despesas, coitadinho. Queixou-se. Mais um para a próxima manifestação dos «indignados».

Esta politica imposta pela Troika, PSD, CDS, PS e Cavaco Silva apenas acarreta o aumento dos bens essenciais: géneros alimentares, saúde, educação, eletricidade, água, gás, combustíveis; crescimento rápido do desemprego, deterioração das medidas protecionistas do desempregado, agravamento das condições de trabalho, diminuição de salários e pensões, penúria geral dos portugueses. Está amplamente demonstrado que esta politica nos conduzirá irresistivelmente, de recessão em recessão, sempre a mais sacrifícios. É uma política que só serve os grandes interesses financeiros e especulativos dos ditos «mercados» e de que resulta a total perda de soberania. Não sei se, como Paulo Rangel, se poderia ou não considerar esta frase de Jerónimo de Sousa como marxista-leninista, mas que ela é verdadeira, é, provavelmente porque, de alguma forma o marxismo-leninismo é mais sério, verdadeiro e humano do que a «girândola» de «competentes» que tem conduzido este país: «Ao longo da nossa história, várias vezes perdemos a nossa soberania, várias vezes ela foi alienada, e nunca foram as classes dominantes que a recuperaram. Foi sempre o povo com a sua luta, que a recuperou». 

Guidões, 21 de janeiro de 2012.

Atanagildo Lobo

{fcomment}

Publicidade


Continuar a ler...
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

Ano 2012

Verbas da Câmara para as obras da Junta tema da Assembleia

Publicado

em

Por

Na sessão ordinária de dezembro da Assembleia de Freguesia de S. Romão foram aprovados o Plano de Atividades e Orçamento para 2013.
Informação sobre a reunião do executivo e membros da Assembleia de Freguesia com Joana Lima sobre as “transferências deliberadas em maio de 2009 e destinadas à remodelação da Casa Quinta de S. Romão” provocou divergências.

(mais…)

Continuar a ler...

Ano 2012

Assembleia de S. Mamede – Documentos previsionais aprovados com abstenção do PSD

Publicado

em

Por

Na sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de S. Mamede do Coronado foram aprovadas, com a abstenção do PSD, as propostas para o Plano de Atividades, PPI, Orçamento e Mapa de Pessoal para 2013.

O Plano de Atividades, o Plano Plurianual de Investimentos (PPI), Orçamento e Mapa de Pessoal para 2013 estiveram em discussão na última Assembleia de Freguesia de S. Mamede do Coronado, que decorreu na quinta-feira, dia 20 de dezembro.

(mais…)

Continuar a ler...

Edição Papel

Comer sem sair de casa?

Facebook

Farmácia de serviço

 

arquivo

Neste dia foi notícia...

Ver mais...

Covid-19

Pode ler também

} a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);