Lago Discount “encerrou” 2011 com um balanço positivo. De salientar a abertura de cinco novos espaços, uma afluência de 5 milhões de visitantes e um crescimento no volume de faturação do setor do mobiliário.

Contrariando a atual conjuntura económica, o Lago Discount encerrou 2011 com um balanço bastante positivo. No ano transato, foram inauguradas três lojas na área de moda, a Gatemar, a Viraggo e a Cheyenne, a discoteca Fama Club e, ainda, o escritório “Carinho”, prefazendo uma criação de cinco novos espaços.

De frisar que, numa fase de relançamento, a Cheyenne elegeu o Lago Discount para a abertura da segunda loja, por este espaço ser um “retail park” que privilegia as marcas portuguesas. Com a abertura de novas lojas, o maior discount do país, com uma dimensão de 81 mil metros quadrados, tem agora uma área comercial com cerca de 1.264.55 metros quadrados, englobando um conjunto de 45 lojas e seis escritórios.

As lojas do setor mobiliário foram as que apresentaram os crescimentos mais surpreendentes. “Apesar de alguns operadores do setor mobiliário do espaço terem registado ligeiras descidas, sobretudo no último ano, também se registaram lojistas, deste mesmo setor, com aumentos muito significativos”, revela Susana Pires, diretora comercial do espaço. “Kmóvel”, que registou um aumento de 134 por cento, e “Encasa”, com o aumento de 21 por cento, são um dos casos de sucesso. “Na realidade, retirando a Moviflor, o setor do mobiliário cresceu 40 por cento, em volume de faturação, de dezembro de 2010 para dezembro de 2011”, afirmou. Este aumento deve-se à entrada de um novo operador, a “Ok Sofás”, e à melhoria da performance dos espaços já existentes. O setor mobiliário tem sido uma das grandes apostas, deste espaço comercial, através de campanhas de dinamização como “Troque Troque”, que consiste na troca de mobiliário usado por um novo, e que contou com mais de 500 pedidos de avaliação de móveis e cerca de 700 móveis trocados.

A loja Moviflor, que anunciou recentemente nos meios de comunicação o seu encerramento, era a segunda loja com maior volume de faturação, de todo o espaço comercial. A alegada quebra, registada nos valores de faturação, foi uma das justificações do grupo português para o seu encerramento, contrariando assim os dados avançados pelo Lago Discount, que a considera como um dos espaços comerciais com maior volume de faturação. Quanto a este encerramento, Susana Pires declarou que esta situação os tem preocupado bastante. “Estamos convictos de que vamos encontrar rapidamente novos parceiros, do setor do mobiliário ou doutra área de negócio”.

2011 foi também um ano de crescimento para o Business Center do retail park, com a incubadora START BUSINESS a atingir a sua lotação máxima. Para 2012, está prevista a sua ampliação, bem como o lançamento de um projeto de Coworking, no Lago Discount, destinado a recém-licenciados de várias áreas (arquitetos, engenheiros, tradutores, designers), a micro-empresas e a profissionais independentes. Esta iniciativa envolve a criação de um espaço partilhado, onde profissionais de diferentes áreas possam trabalhar em simultâneo com o objetivo de trocarem conhecimentos, mantendo, no entanto, um ritmo de trabalho independente.

As marcas portuguesas continuam a ser uma das fortes apostas do Lago Discount, que durante este último ano, lançou várias campanhas publicitárias de divulgação e incentivo à compra de produtos “made in Portugal”, tais como “Faço a Melhor Escolha” e “Aqui, Compre Português”. 

{fcomment}