O auditório da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado foi palco do quinto encontro de Cantares de Janeiras do Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado.

Foi perante um auditório repleto, que o Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado entoou vários cânticos das janeiras, no dia 15 de janeiro. Além do grupo anfitrião, este evento contou com a participação do Rancho Folclórico de S. Cosme de Gemunde (Maia), Associação Cultural e Desportiva de Mindelo (Vila do Conde) e Rancho Folclórico da Aldeia Nova Perafita (Matosinhos).

Depois de terem percorrido a freguesia, o Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado, em parceria com a Junta de Freguesia, organizou, pelo quinto ano consecutivo, este encontro de cantares de janeiras. Esta iniciativa, que foi o culminar de dar as boas festas de porta a porta, foi uma oportunidade, não apenas para as pessoas, “que não estavam em casa”, quando o rancho lá passou, mas para toda a comunidade que os quisesse ouvir.

De salientar a importância deste tipo de eventos, que “serve” para transmitir às gerações vindouras “as tradições dos nossos antepassados”. Segundo Fernando Monteiro, presidente do Rancho Etnográfico, antigamente “as famílias pobres iam, na semana de Natal, pelas casas dos lavradores mais abastados, pedir para que eles os contemplassem com alguma ajuda, para que as famílias tivessem uma noite de consoada” mais condigna.

Normalmente, os lavradores ofereciam batatas, bacalhau e, nalguns casos, “um pouco de porco”. Depois das festas, as famílias organizavam-se e iam agradecer-lhes, pela ajuda prestada, através de cânticos. E foi precisamente esta tradição que o grupo da terra, acompanhado por mais três grupos vizinhos, quis demonstrar no domingo. Apesar de os grupos participantes serem de concelhos vizinhos (Maia, Vila do Conde e Matosinhos) e de “as tradições serem muito parecidas”, o presidente garante que as atuações dos grupos tinham sempre algum ponto que os diferenciava.

Em entrevista ao NT, Fernando Monteiro fez um apelo: “Para que apoiem estas festas e estes ciclos que nós passamos, porque temos alguma obrigação de transmitir às novas gerações o que era no passado. Mas para isso, precisamos de ter o apoio dos presentes para nos sentirmos capazes de levar bem longe a nossa missão, que é transmitir os usos e os costumes do passado às novas gerações”.

Este Encontro de janeiras começou com uma entrega de lembranças a Joana Lima, presidente da Câmara Municipal, Assis Serra Neves, vereador da Cultura, António Azevedo, presidente da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado, e António Castro Ferreira, tesoureiro da Junta.

{fcomment}