Rancho Divino Espírito Santo “renasceu” depois de mais de 20 anos sem atividade. Ricardo Oliveira é presidente e ensaiador do grupo.

Vinte e um anos passaram desde o fim de atividade do Rancho Divino Espírito Santo, de S. Mamede do Coronado. Mas o desejo de voltar a “ressuscitar” o grupo prevaleceu no pensamento de alguns mamedenses. As “conversas de café” foram tornando-se num compromisso sério até chegar à Junta de Freguesia.

O apoio do presidente José Ferreira foi um impulso para a reativação do Rancho. Cerca de 15 pessoas arregaçaram as mangas e trabalharam em busca do património perdido do grupo. Uma concertina com o fole um pouco danificado foi dos poucos objetos que ressurgiram, para além de algumas letras de músicas e um livro antigo de atas.  Este documento foi essencial para recuperar “o panorama das saídas, dos investimentos que foram feitos e de como nasceu o Rancho, que possibilitou chegar às músicas mais antigas”.

Algumas danças foram recuperadas através do único registo vídeo existente – a saber – de uma atuação do grupo. Nas imagens recuperadas, Ricardo Oliveira tinha três anos. Hoje, alegra-se por ver que este projeto está a renascer. Admite que não foi o mentor deste feito, mas rapidamente se envolveu no trabalho, até ser eleito presidente. O amor pelo grupo corre-lhe nas veias, pois muitos membros da família foram responsáveis pela sua fundação, em maio de 1959.

Em cerca de meio ano, o Rancho compôs-se e agora conta com cerca de meia centena de elementos, dos três aos 80 anos, alguns dos quais fizeram parte do grupo antes da interrupção de atividade. O trabalho tem sido árduo, mas compensador, assegura Ricardo Oliveira. “Em 21 anos, desapareceram, praticamente, todos os trajes, mas fomos bem apadrinhados por alguns cidadãos da freguesia, como a dona Lurdes, que é rainha do Rancho, que disponibilizou uma série de tecidos para que pudéssemos fazer alguma coisa. Também fomos comprando nas casas de folclore da Trofa, mas ainda há muito a fazer. Neste momento, as calças dos homens ainda estão a ser confecionadas, pois obedecem a alguns requisitos que têm que ser cumpridos, assim como os saiotes vermelhos das senhoras”, explicou.

Para além de ser presidente, Ricardo Oliveira ainda acumula a função de ensaiador do grupo. Recuperar as danças não foi fácil, mas a pesquisa já deu frutos. O Rancho não era uma associação com personalidade jurídica, o que obrigou Ricardo Oliveira a utilizar a sua profissão (jurista) para redigir os estatutos. “Foram discutidos, aprovados e já foram remetidos ao notário. Aguardamos algumas formalidades para se marcar a escritura. Anteriormente, era uma associação como muitas apenas de um grupo de amigos que se reuniam. O grupo continuará com a data de fundação de 10 de maio de 1959 e adquirirá personalidade jurídica em janeiro de 2012”, explicou.

Também é pretensão dos responsáveis inscrever o Rancho na Federação do Folclore Português, mas este passo requer tempo e verbas. “É um objetivo para 2013 ou 2014, porque é um selo de qualidade que se atribui ao grupo”, sustentou.

Este Rancho tem “características únicas”

Apesar de já existirem vários grupos folclóricos no concelho da Trofa, Ricardo Oliveira defende que o do Divino Espírito Santo de S. Mamede do Coronado tem atributos únicos, desde logo os “trajes com características da zona de freguesia, que é muito antiga e que foi muito importante quando pertencia às terras da Maia”. “Há músicas que são características do Rancho Divino Espírito Santo, como “A Carolina”, que é uma dança característica de S. Mamede e temos uma maneira única de dançar ‘A Cana Verde”, acrescentou.

O feedback da população quanto ao reinício de atividade do grupo foi positivo: “Nunca pensei que aceitassem tão bem. A população “ajuda muito”, assim como a Junta de Freguesia “que apoia no que pode”.

Face à aceitação, os elementos do grupo estão “muito motivados” para levar o nome da associação além-fronteiras. Desde que “ressuscitou”, o grupo já atuou “em festas de Natal, na Senhora da Conceição e no Espírito  Santo”.

Para este ano, o Rancho já teve um convite para participar no 9º aniversário do Rancho de Limoges e está a preparar a festa de aniversário do grupo, que se realizará a 12 de maio. 

 {fcomment}