Ainda não conhece bem os cantos à casa, mas projectos não faltam para os pelouros que assumiu. Teresa Fernandes, natural de S. Romão do Coronado, é responsável pela Educação, Juventude e Desporto, Ordenamento do Território e ainda Gestão e Planeamento Urbanístico na renovada autarquia trofense.

“Muita dedicação, empenho, seriedade e responsabilidade” são as promessas da vereadora, que apesar de ter consciência das “expectativas elevadas dos trofenses”, relativamente ao trabalho a desempenhar pelo novo executivo socialista, não baixa os braços e promete “muito trabalho nos próximos quatro anos”.

“Eu tenho vindo a perceber que os trofenses depositaram em mim e na equipa da qual tenho orgulho em fazer parte, muitas expectativas e portanto o nosso trabalho tem que ir de encontro aos anseios dos trofenses. Espero que daqui a quatro anos eles sintam que valeu a pena o voto que confiaram em nós e que fizemos um bom trabalho pela Trofa e pelos trofenses”.

Primeiro Teresa Fernandes quer por ordem na casa e “perceber, muito bem, como funciona a Câmara Municipal, cada divisão e quais são os protocolos que existem”, para depois por mãos à obra.

O pelouro da Desporto e Juventude vai ser a “aposta clara” da vereadora, ou não fosse ela própria “uma jovem”. “A juventude tem muitas ideias, muito dinamismo que pode contribuir para o desenvolvimento do concelho”, explicou, apelando à participação dos jovens trofenses “nos processos de tomada de decisão”.

A entrada em funcionamento do Conselho Municipal da Juventude, a construção de espaços de convívio e equipamentos para práticas desportivas, serão as primeiras resoluções que vão dar o pontapé de saída desta vereação. Mas, de acordo com Teresa Fernandes, outros projectos estão já em cima da mesa: “Uma das propostas que temos em mão é fomentar uma rede de transportes de mobilidade interna, não só para a interligação das freguesias que neste momento, praticamente, não existe, mas para todos nós podermos conhecer as freguesias”.

Já o pelouro da Educação “requer alguma atenção da vereadora”. Os diferentes agentes que se envolvem no processo da educação, como as escolas, os agrupamentos, as associações de pais e os alunos, “vão requerer muito trabalho e tempo”.

Com vários projectos em desenvolvimento, iniciados pelo anterior executivo camarário, Teresa Fernandes, tem como objectivo “minimizar o período de obra” nas cinco escolas do concelho que estão em fase de reconstrução e ampliação. “Temos tido um esforço imenso para conjugar todos os factores de modo a que os alunos tenham as mínimas condições para ter aulas, a par do desenvolvimento das obras, que é importante que também se façam com velocidade para minimizar os prejuízos”, acrescentou.

teresa-fernandes-1

Outro dos objectivos, mais recentes da vereadora é tentar fazer com que os trofenses de palmo e meio tenham “uma alimentação mais saudável”. “Está em fase de candidatura o projecto para fomentar o uso de refeições saudáveis nas cantinas e o maior recurso a frutas e legumes. Há ainda outro projecto que vai começar agora que é o Cantina mais, que também tem a ver com refeições mais saudáveis”, adiantou.

Localização dos Paços do Concelho ainda não está definida

Com 20 dias esgotados, no prazo de 100, prometido por Joana Lima para definir a localização dos Paços do Concelho, Teresa Fernandes, ainda não quis adiantar a localização escolhida para a construção do edifício. A escolha recairá na localização “que sirva não só as pessoas da Trofa, mas também de outras freguesias”

“A envolvência do espaço e a questão económica” são os factores a ter em conta na hora de decidir. Os três locais apresentados pelo executivo anterior também serão considerados e “dentro em breve” a decisão será divulgada.

A conclusão do Plano Director Municipal é outro dos assuntos a resolver pela vereadora socialista para que o documento seja “o espelho de todos os trofenses”. Ainda “não há prazos para entrega do documento”, mas as observações apresentadas estão já a ser analisadas.

“Há de facto algumas questões que vão ter que ser revistas, o que nós pretendemos com o Plano Director Municipal não como documento estratégico é que espelhe a vontade dos trofenses, não podemos privilegiar só alguns casos, mas temos que privilegiar aquilo que a Trofa precisa e o que os trofenses ambicionam”, garantiu.

Daqui a 11 anos a Trofa estará no mapa nacional”

Já em 1998 Teresa Fernandes ansiava a “mudança”. Para a vereadora a 19 de Novembro os trofenses “conquistaram a liberdade”. Passamos a ser nós a decidir o que fazer e o nosso futuro, essa foi a grande vitória dos trofenses, frisou.

Apesar de não concordar, em grande parte, com as decisões políticas do antigo executivo, a vereadora registou algumas conquistas: “Houve melhorias em termos de água e saneamento, a nível da educação e acção social, que são projectos que se desenvolveram e que os trofenses sentem que no terrenos, foram importantes”.

“É difícil” imaginar os próximos 11 anos, mas Teresa Fernandes acredita, com o seu contributo poder ajudar a Trofa a estar “no mapa, não só, a nível regional, mas nacional”.