Junta de Freguesia de Santiago de Bougado assinou, na segunda-feira, dia 18 de junho, protocolos com as associações bougadenses e pagou 50 por cento do valor. “Agradecer o apoio que prestam aos bougadenses e à população em geral” foi o que motivou o executivo da Junta de Freguesia de Santiago de Bougado a assinar um protocolo com as associações bougadenses. A sessão decorreu no auditório da Junta de Freguesia, onde os representantes assinaram o documento e receberam, das mãos de António Azevedo, presidente da Junta, a primeira tranche, sendo que a segunda, e última, será entregue em dezembro. 

Antes da elaboração dos protocolos, o executivo teve uma reunião com todas as associações, e cada uma disse que “atividades queriam para a freguesia e que gostariam que a freguesia os ajudasse a comparticipar nas suas despesas”. O presidente da Junta de Freguesia afirmou que esta é uma forma “de lhes poder retribuir, de alguma forma material, para o plano de atividades (das associações), que é muito rico para a freguesia”, agradecendo, desta forma, ao movimento associativo, já que muitas das vezes, promove muitas das atividades que são das “competências das autarquias”. 

O protocolo é constituído por direitos e deveres, comprometendo- se o executivo a atribuir um subsídio. Em troca, as associações são “parceiros da freguesia na organização de atividades”, como é o caso do Bougado em festa, Juventude em festa ou Futebol Popular, ou “na representação em algumas atividades em nome da freguesia”. Cada associação recebe diferentes valores, que são apurados de acordo com os eventos que participa sendo que cada participação corresponde a 600 euros, um valor considerado “razoável”, devido aos custos que as coletividades têm na organização. “Por exemplo, o Grupo de Danças e Cantares, a quem atribuímos 1800 euros, têm que organizar o festival de folclore da freguesia, fazer duas atuações, no âmbito de uma festa popular na freguesia, organizar connosco o Bougado em festa, em que também têm que trazer dois ranchos, e têm que organizar connosco a Feira à Moda Antiga, no Souto de Bairros”, explicou. 

Este ano, em que houve a desistência da “Associação Um animal, um amigo”, a Junta de Freguesia também retribuiu o trabalho do Clube Slotcar da Trofa que, há cerca de ano e meio, se mudou para Santiago de Bougado. João Pedro Costa, presidente do Clube Slotcar da Trofa, asseverou que o subsídio, para eles, significava o “reconhecimento do trabalho associativo que é feito”. “Mesmo sendo um valor simbólico, para nós, é um valor que se reveste de grande importância, porque é uma forma de aqueles que têm algum poderem dizer que estes dirigentes associativos têm um trabalho meritório ao longo do ano. Portanto, para nós, é sempre de satisfação, que redobra com a vontade de trabalhar”, declarou.

O presidente do Clube Slotcar afirmou que o “subsídio é sempre pouco para o movimento associativo”, visto que este “não tem limites e pode sempre fazer mais”, salientando que esta “pequena ajuda”, “dá animo para quem quer trabalhar, pois significa que as pessoas acreditam no trabalho dos dirigentes associativos”, o que, para eles, é “gratificante”. A Conferência São Vicente de Paulo de Santiago de Bougado recebe, mensalmente, 1500 euros, para ajudar nas compras de bens essenciais para as famílias carenciadas da freguesia. Para José Vasconcelos, tesoureiro da Conferência São Vicente de Paulo, este é um valor que corresponde ao “trabalho mensal e anual” que têm na ajuda às “famílias em dificuldades”, salientando que o seu trabalho “é não negar ajuda a ninguém”. Uma “sensibilidade da Junta” ao disponibilizar os meios monetários, que os ajuda a fazer o “trabalho de campo” que, na sua opinião, é “muito importante”, porque assim conseguem chegar às famílias, que lhes pedem ajuda ou estão referenciados nas instituições sociais.

“Mil e quinhentos euros pode parecer muito”, mas José Vasconcelos reitera, enumerando que, todos os meses, os vicentinos entregam, em média, 30 cabazes a famílias carenciadas e ajudam mais de 20 famílias com “comparticipações em medicamentos” e fraldas. Muitas das vezes, os próprios vicentinos “tiram dinheiro do seu bolso”, dentro da possibilidade de cada um, para ajudar os mais carenciados. 

O tesoureiro garante que os donativos que a associação recebe, tanto da Junta como da paróquia, são “bem distribuídos”, sendo “canalizados para comida”. Quanto ao melhoramento das condições das casas, garante que os materiais são oferecidos pelas “pessoas amigas”, que gostam de ajudar a proporcionar dignidade às pessoas. José Vasconcelos deixou ainda “uma palavra de apreço” ao presidente da Junta de Freguesia, pela ajuda que tem dado à Conferência S. Vicente de Paulo de Santiago de Bougado.

No final da sessão, o executivo da Junta de Freguesia aproveitou para presentear o Centro Associativo de Bairros com o Premio Mérito Desportivo, por ter vencido o campeonato, a taça e a supertaça em futsal no futebol popular.

{fcomment}