Depois de um campeonato exemplar e uma fase final igualmente surpreendente, a equipa de juniores do Clube Desportivo Trofense conseguiu o feito inédito de ser campeão da 1ª divisão distrital e foi premiada com a tão almejada subida aos nacionais.

Para trás ficaram 30 jogos do campeonato, 25 deles carimbados com a vitória trofense e uma fase final que ainda não terminou, mas que já registou três triunfos, um empate e uma derrota.

Uma derrota de 3-0 com o Tirsense que, inicialmente, poderia trazer muitos dissabores à formação liderada por Jorge Gonçalves, pois marcava a estreia da fase final, mas a reacção não poderia ter sido melhor. O expoente da participação da equipa aconteceu no passado fim-de-semana, com a vitória sobre o Candal, por 3-2, que ditou a subida do Trofense e o título de campeão. A maior parte dos jogadores estão no primeiro ano de juniores, o que lhes permite gozar do feito que conseguiram alcançar este ano.

Esta vitória tem para o técnico Jorge Gonçalves “um significado muito especial”, porque é inédita e foi conseguida “numa fase final muito complicada, em que existem mais factores de stress competitivo”.

“Este grupo todo merece, porque trabalhou imenso. Isto de jogar futebol, principalmente em termos de camadas jovens, obriga a que se tenha um amor muito grande pela modalidade, porque eles treinam quatro vezes por semana, privam-se de ver jogos da Liga dos Campeões, de ir a festas com os amigos, têm que se deitar cedo e alimentar-se bem e chegarmos ao fim e atingirmos este título é espectacular”, afirmou em declarações ao NT/TrofaTv.

E melhor do que conseguir alcançar o objectivo delineado pelo projecto trofense é apresentar um futebol atraente. É esse o “ponto forte” desta equipa, segundo Jorge Gonçalves: “Nós procuramos um futebol positivo, um futebol que entusiasme os jogadores e os adeptos e que os leve a sonhar. Nós temos um futebol muito alegre, aliás, quase todos os golos que marcámos nesta fase final foram golos fantásticos”, acrescentou.

“Orgulhoso” de ser treinador desta equipa, Gonçalves sublinhou ainda o trabalho dos dirigentes e do presidente do clube “fantástico e que apoia imenso”.

Há seis anos ligado às camadas jovens do clube, Jorge Gonçalves tinha o “sonho” de conseguir ser campeão. E como dizia o poeta “o sonho comanda a vida” e o feito foi mesmo conseguido e com um sabor ainda mais especial, que não teria se fosse num Futebol Clube do Porto, que já foi campeão, ou num Benfica ou num Sporting.

Apesar de já ter sido treinador de uma equipa que disputava um nacional, Jorge Gonçalves quer sê-lo no clube que gosta e está “entusiasmado” por continuar na Trofa.

Foto Alfredo Viana

Directores satisfeitos com objectivo cumprido

Esta foi uma das metas delineadas pelo Departamento de Formação do Trofense e finalmente foi concretizada. A subida dos juniores à 2ª Divisão nacional deixou não só jogadores e técnicos satisfeitos, como também os directores de escalão. Tiago Portela exultava o “grande orgulho” por ver todo o trabalho desenvolvido ao longo da época ser premiado com a subida, enquanto José Silva afirmava que era “uma maravilha” ver os jovens conseguirem este feito.

“São jovens que já vêm com uma estrutura, graças a uma formação já considerável e este ano foi só um aperfeiçoamento”, explicou o director.

Assim como o melhoramento das condições de trabalho, a equipa de técnicos “tem vindo a melhorar no sentido de caminhar para a perfeição”, segundo José Silva. E o próximo objectivo não se pode adiar. “Esta é uma equipa de jovens que têm muito potencial e como estão a aprender, mas com uma margem de progressão muito grande, se calhar na próxima época pode almejar um escalão maior e é isso que pretendemos”.

 

Cabeças rapadas para festejar título

 

Uns com as cabeças rapadas para festejar o título, mas nem todos tiveram coragem para este gesto excêntrico. Serra é um dos capitães de equipa e para dar o exemplo lá se rendeu ao novo penteado. O capitão era a voz do entusiasmo de uma equipa que já só pensa em fazer um “brilharete” na próxima temporada. Em declarações ao NT/TrofaTv, o jogador afirmou que a subida “foi um prémio merecido” para todos os atletas.

“Nós trabalhámos ao longo de toda a época para atingir este objectivo. No inicio da época nem os treinadores, nem o departamento de formação nos exigiram este título, mas nós sentíamos que tínhamos potencial para isso e agora chegando ao fim de uma época e culminando com a subida aos nacionais, o sentimento é espectacular”.

Depois de uma derrota pesada em Santo Tirso no início da fase final, a reacção dos trofenses “não podia ser mais positiva”.

As expectativas para o próximo ano passam por “fazer o melhor possível no campeonato nacional que é uma experiência inédita”, afirmou o capitão que não esquece que este escalão dará mais visibilidade aos jogadores. “É um campeonato mais competitivo, a evolução dos jogadores vai ser enorme e acredito que possivelmente podemos ter chamadas à equipa principal e outros clubes certamente vão estar a observar”, concluiu.