Uma feira de saúde e a procissão de velas são algumas das novidades da festa de Nossa Senhora do Desterro, de 25 a 28 de abril.
Para evitar que as festas de Nossa Senhora do Desterro definhassem ainda mais, os jovens da aldeia de Bairros, em Santiago de Bougado, puseram pés ao caminho, arregaçaram as mangas e deram o exemplo. Márcia Azevedo teve a iniciativa e falou com João Nogueira, que já tinha experiência em comissões de festas. Os dois, numa reunião, decidiram avançar com o projeto e constituir um grupo para dar vitalidade às festividades.

“Contactamos potenciais elementos que nos podiam ajudar e acabaram por aceitar de bom grado, porque todos gostavam que as festas fossem realizadas”, conta João Nogueira, juiz da festa.

O núcleo da Comissão de Festas, cujo elemento mais velho tem 25 anos, é composto por João, Márcia (tesoureira) e Sofia Salgueirinho (secretária).

O arrojo é uma característica presente na juventude e, por isso, o programa das festas de Nossa Senhora do Desterro contam com algumas novidades. Uma delas é a feira de saúde, que se realiza no sábado, 27 de abril, com rastreios à diabetes, colesterol, hipertensão, visão e osteoporose e pequenas consultas de saúde oral, visão e nutrição.

A par da promoção de uma vida saudável, durante a romaria, também haverá demonstração das modalidades da academia municipal Aquaplace.

Outra das novidades é a procissão de velas, marcada para as 21 horas de sábado.

Quanto à música, o destaque vai para as atuações da orquestra Ritmos Ligeiros (quinta-feira, 25 de abril), da orquestra Xystema (sábado, 27 de abril), da Banda de Música da Trofa (domingo, 28 de abril) e dos grupos folclóricos (domingo, 28 de abril). O grupo de dança Alvadance, também vai animar o recinto da festa, na noite de sexta-feira, 26 de abril.

“A nossa ideia foi elaborar um cartaz que abrangesse todas as faixas etárias”, explicou Márcia Azevedo.

Outro dos pontos altos das festividades é a tradicional procissão, na tarde de domingo, “com andores carregados por homens, mulheres e jovens”, revelou João Nogueira.

Ao longo dos dias de festa, a comissão de festas vai promover jogos tradicionais e explorar “barraquinhas” para “angariar fundos”. O orçamento total da festa ainda não foi contabilizado.

Quanto ao peditório realizado por Bairros e aldeias vizinhas, João Nogueira fez um balanço positivo, “tendo em conta o momento de crise”. “Não se pode comparar com os anos anteriores, porque atualmente há muitas pessoas no desemprego e que não puderam dar o que costumavam”, sublinhou.

O encerramento das festas está marcado para 1 de maio, Dia do Trabalhador, com um almoço-convívio no Flor do Ave, que tem o valor de 35 euros.