Com “uma agenda bastante preenchida” e “uma grande variedade de atividades e boas horas de distração”, a comissão de festas de Nossa Senhora da Livração espera ter uma boa adesão às festividades.

Desde segunda-feira que estão a decorrer as cerimónias religiosas da Festa de Nossa Senhora da Livração, em Lantemil, Santiago de Bougado, com missa e sermão. Paulo Rocha, elemento da comissão de festas, contou que “as pregações têm sido bastante participadas”, pelo que afirma que a festa está a correr de forma “bastante positiva”.

Já esta sexta-feira, depois das confissões entre as 17 e as 19 horas, há terço e procissão de velas com sermão junto à imagem de Cristo Rei. Paulo Rocha contou que nas ruas vão estar ” velas e tapetes de flores realizados pelos elementos desta paróquia”, esperando que no fim “as pessoas estejam com alguma fome e se desloquem à barraquinha para saborear as bifanas, enquanto assistem ao espetáculo” do grupo A Rapaziada, pelas 22.30 horas.

O dia de sábado começa cedo com o Grupo de Zés Pereiras que vaipercorrer “o máximo de ruas a anunciar os festejos”, convidando “as pessoas a passarem, durante a tarde, pelo espaço da Capela para participar nos jogos tradicionais (torneio de Sueca, jogo do sapo e malhas) e saborear o porco no espeto oferecido por um agricultor da região”. A noite será dedicada ao festival Etno-Folclórico do Rancho Etnográfico de Santiago de Bougado, onde vão participar o Rancho Folclórico e Recreativo de Candoso, Grupo de Danças e Cantares Vale S. Domingos, Rancho Regional de Fânzeres e Rancho Folclórico da Casa do Minho. Segue-se o “grande momento ansiado pela população” que é a atuação de José Alberto Reis, terminando com “um grandioso fogo de artifício”. “No domingo, dia mais importante desta festa religiosa, teremos missa solenizada às 11 horas. Da parte de tarde, terço e procissão, seguido do sorteio de todas as rifas vendidas”, completou.

Com um orçamento estimado “entre os 13 e 15 mil euros”, Paulo Rocha asseverou que, como “a maioria dos elementos” da comissão de festas “já fazia parte do ano anterior”, a preparação das festas iniciou-se “em meados de março” com a recolha de “alguns orçamentos de artistas bem como de serviços de empresas necessárias para a feitura da festa” e em abril “fecharam os contratos de forma a terem o restante tempo para a angariação de dinheiro para a realização da festa”.

A angariação do dinheiro começou em maio com “um peditório pelas Aldeias de Cima (Lantemil, Trofa Velha e Cedões)” e, em junho, foram contactadas “as principais empresas e forças vivas da região de forma a obter algumas ajudas”. “Tivemos algumas que contribuíram com valores monetários e outras com produtos ou serviços (aproveito para agradecer a todos quanto colaboraram). Com a receção destes produtos surgiu a ideia da realização de um sorteio e então procedemos à venda de rifas, que não se limitou apenas às Aldeias de Cima, mas sim por uma área mais abrangente, contando ainda com a ajuda de pessoas alheias à comissão na venda das mesmas”, explicou, acrescentando que espera ter uma boa adesão às festas.