Joana Lima foi indicada pela Junta Metropolitana do Porto para administradora não executiva da Metro do Porto. Numa reunião da Junta Metropolitana do Porto (JMP), que decorreu na sextafeira, dia 29 de junho, foram anunciados os nomes das pessoas que vão constituir a administração da Metro do Porto. 

Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, foi um dos nomes indicados pela JMP, para administradora não executiva da Metro do Porto. A autarca sente-se “muito honrada” por esta eleição, acreditando que este é um “sinal claro de que a Linha da Trofa é prioritária”. “Vou lutar, vou tentar lembrar em todos os momentos que o Metro da Trofa é uma prioridade não só local, mas também regional. Enquanto eu puder irei lutar dentro e fora da administração e em todos os lugares onde estiver, porque o Metro da Trofa tem de ser uma realidade para a Trofa”, realçou.

A JMP aceitou a sugestão de Álvaro Santos Pereira, ministro da Economia, e nomeou João Velez Carvalho, que já tinha sido administrador da STCP até 2006, para a presidência da Metro do Porto. Para administrador executivo a Junta indicou António José Lopes, economista e ex-diretor da Vista Alegre. Já para administradores não executivos da Metro foram ainda escolhidos António José Samagaio, professor universitário na área do Planeamento e Ambiente, Aires Pereira, vice-presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim e Gonçalo Gonçalves, vereador da Câmara do Porto. A Assembleia Geral da Metro do Porto continuará nas mãos de Valentim Loureiro, presidente da Câmara de Gondomar, e o Conselho Fiscal passará a ser liderado por Nuno Oliveira, socialista e vice-presidente da Câmara de Matosinhos. 

Já a STCP contará apenas com dois administradores, André Cerqueira e César Navio. Uma escolha que apenas contou com o voto contra dos representantes da Câmara de Gaia, que justificaram o “veto” com a circunstância de o município ter sido excluído da nova estrutura. A assembleia-geral da Metro do Porto, agendada para a tarde de sexta-feira com o objetivo de eleger os novos órgãos sociais, foi suspensa por 15 dias, sendo adiada para o dia 13 de julho, porque, segundo informações avançadas pela Lusa, a Comissão de Recrutamento e Seleção da Administração Pública (CRESAP) levantou reservas quanto à designação de António José Lopes (indicado pela JMP para administrador executivo) e de António Samagaio (escolhido pelo Governo para não executivo) para a administração da Metro do Porto.

{fcomment}