Enquanto Francisco Lopes, candidato apoiado pelo PCP, estava no centro do país, o secretário-geral do partido, Jerónimo de Sousa, esteve com os trabalhadores da Continental, em Lousado, esta quinta-feira, para mostrar que até ao dia 23 de Janeiro nada está decidido.

O líder do Partido Comunista afirmou, relativamente ao possível boicote às eleições da população do Muro, que “não resolve”, considerando que “também pelo voto se pode lutar, penalizando quem não cumpriu as promessas”

Veja a reportagem completa na próxima edição do NT, dia 20 de Janeiro, quinta-feira.