Os associados da ADAPALNOR elegeram os corpos gerentes para o quadriénio 2014/2018, em Assembleia-Geral Eleitoral, que se realizou no domingo, 9 de fevereiro, onde Jaime Vieira foi eleito por “unanimidade”.

Jaime Vieira é o primeiro presidente da Associação para a Defesa do Ambiente e do Património do Litoral Norte – ADAPALNOR -, tendo sido eleito para o quadriénio 2014/2018 pelos “cerca de 25 associados” presentes na Assembleia-Geral Eleitoral. A Mesa da Assembleia-geral será liderada por Nuno Cruz e o Conselho Fiscal por Domingos Campos.

Quanto à participação dos associados, o presidente enunciou que houve “uma razoável participação, atendendo às muito fracas condições climatéricas que impediram que associados de locais mais distantes estivessem presentes” na sede, situada na antiga escola básica de Mendões, em S. Mamede. “Devemos lembrar que a ADAPALNOR é uma associação que tem associados em diversos distritos de Portugal, incluindo no distrito do Algarve”, acrescentou.

Para o próximo quadriénio, os corpos gerentes eleitos propõem, “sem demagogias e falsas promessas”, estabelecer “contactos com diversos órgãos da comunicação social (RTP, Porto Canal, jornais e rádios locais), com autarquias, associações similares e cooperativas agrícolas”, estabelecer “uma cooperação com as autarquias para isso disponíveis, dando-lhes um contributo em ensinamentos e colaboração”, com “lares de 3ª idade, centros de dia, jardins de infância, tentando sensibilizar as crianças para o respeito que merece o ambiente (animais e plantas que nos rodeiam) e tentar, junto das pessoas idosas, dar-lhes a conhecer o conforto e o amor que uma planta lhes pode transmitir, em substituição da falta de carinho e amor dos entes mais próximos, como tantas vezes acontece”.

A ADAPALNOR propõe ainda estabelecer uma “cooperação com grupos de pessoas que detêm talhões de terra cultivada, cedidos pelas autarquias, continuação de visitas de estudo a locais de interesse ambiental e/ou patrimonial, elaboração de mais cursos, workshops e palestras, sempre subordinados a temas relacionados com o ambiente ou património, organização de convívios com populações locais, com possível animação cultural” e a criação de “núcleos distritais da associação”.

Neste momento, o presidente “lamenta” as “condições climatéricas” que “não” permitem “iniciar de imediato uma série de ações já delineadas”.

Durante a sessão foi ainda “aprovado por maioria” o regulamento interno da associação e nomeado o Conselho Técnico, que tem como presidente Maria João Moreira e, como secretários, Orquídea Branco, Paula Barros, António Freitas e Ana Catarina.