Assembleia de Freguesia de Covelas uniu-se a favor do encerramento da Escola Básica de Querelêdo, devido à alegada “falta de condições”. Câmara garante que empreiteiro vai corrigir problemas de infiltração assim que a chuva pare.

 Na sessão ordinária da Assembleia de Freguesia de Covelas, dedicada à votação da Conta de Gerência do ano de 2012 e da 1ª Revisão Orçamental, foi no período de intervenção do público, que os ânimos estiveram mais exaltados. O tema foi a alegada falta de condições da Escola Básica de Querelêdo.

Rui Silva, presidente da Associação de Pais, interveio para perguntar ao autarca covelense, Fernando Moreira, “o que é que a Junta pode fazer” quanto às “infiltrações” que a escola tem. Para Rui Silva, a situação em que a Escola Básica de Querelêdo se encontra é “grave”, afirmando que “em todos os espaços da escola, à exceção da cantina, chove”. “Já mandei emails para a Câmara e tudo mais, mas o que é certo é que ninguém dá resposta”, concluiu.

Fernando Moreira afirmou que um dos “deveres da Junta é defender os alunos e as crianças” e, por isso, e apesar de “custar muito dizer, se tivesse filhos na escola, fechava-a”. “Não se admite chover como chove em todas as salas. É claro que a Câmara não gosta de ouvir isto de fechar a escola, mas comigo era isso que acontecia. E a direção do agrupamento também me disse a mesma coisa. Uma escola nova naquele estado, com tanto engenheiro que ali esteve? O que é que estiveram a fazer?”, questionou. O autarca referiu ainda que contactou a Câmara sobre o assunto e que a resposta foi que “iam resolver o problema”.

Leia a reportagem completa na edição desta semana d’ O Notícias da Trofa, disponível num  quiosque perto de si ou por PDF.