Covelas voltou a ser fustigada pelas chamas. O incêndio foi um dos mais graves deste ano e consumiu mais de oito hectares de manto verde.

Um incêndio de grandes proporções causou preocupação na freguesia de Covelas, na quinta-feira, 28 de julho. Uma indústria e algumas habitações estiveram em perigo, mas os bombeiros conseguiram afastar as chamas e evitar o pior.

O fogo deflagrou ao início da tarde, no Lugar de Coura, com uma frente ativa, mas progrediu rapidamente por uma área extensa de mato.

As chamas deflagraram perto da A3, e foi necessário interromper a circulação automóvel.

A polícia municipal e a GNR da Trofa estiveram no local a cortar algumas ruas da freguesia, para garantir a segurança e facilitar a ação dos soldados da paz.

Os Bombeiros Voluntários da Trofa enviaram para o local 17 elementos, apoiados por oito viaturas. As corporações de Areosa, Coimbrões, Crestuma, Ermesinde, Gondomar, S. Pedro da Cova, Valadares e Valongo juntaram-se ao combate às chamas com 28 bombeiros, auxiliados por oito veículos. Dez elementos da Afocelca, com três viaturas, e cinco elementos da Autoridade Nacional de Proteção Civil, com duas viaturas, também estiveram no território covelense. Para o local foram ainda destacados um helicóptero bombardeiro pesado Kamov e um helicóptero bombardeiro ligeiro (Hotel 17)

Todos os anos fustigada pelo flagelo dos incêndios, cerca de 8,5 hectares de floresta da freguesia de Covelas ficaram reduzidos a cinzas. Nas operações de combate às chamas estiveram ainda meios da Proteção Civil da Trofa. O fogo foi dominado às 18.53 horas.

 {fcomment}