Lavandaria em Santiago de Bougado foi consumida pelas chamas. Cerca de 30 bombeiros combateram o fogo.

Paulo Torres não continha as lágrimas por ver o trabalho “de uma vida” ser consumido pelas chamas. O diretor de produção da empresa de lavandaria One Wash, sediada num dos armazéns da Travessa das Indústrias, em Santiago de Bougado, foi um dos primeiros a chegar, depois de alertado pelo motorista que se deparou com o incêndio, quando se preparava para abrir a fábrica como faz, diariamente. Eram cinco da manhã.

Ao som da sirene atenderam muitos soldados da paz, que se deslocaram para o quartel e juntaram-se àqueles cuja noite já era longa no combate aos incêndios na floresta do concelho da Trofa. Para o local deslocaram-se sete viaturas com 27 elementos dos Bombeiros Voluntários, que encontraram muitas dificuldades para apagar o incêndio. O “fumo intenso” foi um dos principais obstáculos, mas “era preciso progredir na fábrica” para não dar margem às chamas que eram alimentadas por “material altamente inflamável, como produtos químicos e tecidos”, afirmou Filipe Coutinho, segundo comandante dos Bombeiros Voluntários.

Apesar do grau de perigo ser elevado, devido ao fumo intenso e pouca visibilidade, os elementos da corporação conseguiram extinguir as chamas. Mas os estragos na fábrica são elevados. Paulo Torres diz que “98 por cento da empresa ficou queimada”. “A parte das caldeiras salvou-se, assim como o escritório, mas os restantes mil metros quadrados de área coberta foram à vida”, contou emocionado.

O diretor de produção da empresa era o rosto do desespero daqueles que vêem um negócio que prosperava sofrer um duro golpe. “Faço parte da direção da empresa e isto custa, porque trabalhamos com gosto e no fim vemos perder assim uma vida. Temos clientes novos e estas situações são difíceis, pois não as podemos contornar, independentemente de chegarmos na hora. Por mais que a gente queira fazer alguma coisa não consegue”, afirmou.

Apesar de morar a cerca de 30 quilómetros da empresa, Paulo Torres afirma ter demorado “cerca de sete minutos a chegar”. A primeira preocupação foi salvar todo o material possível, como “computadores e o que ainda estava intacto”. Resta “acionar o seguro, ver o que ele pode cobrir e continuar a trabalhar para os clientes”.

A One Wash tem 22 funcionários a trabalhar na unidade da Trofa e segundo Paulo Torres o negócio “estava saudável no mercado”. As causas do incêndio ainda são desconhecidas.

{fcomment}