Clube Trofense de Automóveis Antigos promoveu uma exposição de carros e motas antigos no Parque Nossa Senhora das Dores. Coletividade está a desenvolver projeto para abrir museu ao público.

Oitenta e sete anos de vida podem esconder muitas histórias e o Chevrolet de Eduardo Reis é prova disso. A relação entre proprietário e a relíquia de quatro rodas, “mais velho que o dono”, nasceu há 50 anos, em Caracas, Venezuela, em tempos em que Eduardo Reis era “construtor” e utilizava os automóveis para promover os imóveis construídos. 

Hoje, este trofense conserva o seu património automobilístico com carinho. “É preciso respeitar os objetos antigos e incentivar a juventude para conservar as relíquias e em épocas passadas parecia que construíam melhor que agora. Agora os automóveis trazem muito plástico”, explicou, considerando que os atuais parachoques adotaram uma nova designação para “não me toques”. 

Eduardo Reis adquiriu este modelo em Caracas, mas tratase de um exemplar da General Motors originário do Canadá. Este carro, “mais conquistador que o proprietário”, era o mais antigo dos que estiveram em exposição no  Parque Nossa Senhora das Dores.

Aproveitando a realização da Super Especial da Trofa, o Clube Trofense dos Automóveis Antigos (CTAA) fez questão de repetir a exposição anual, que atraiu muitos curiosos. Para além dos carros, também as motas de outros tempos deram nas vistas. No total, a exposição percorria a história  automobilística do século XX até à década de 80, pois só são clássicos automóveis com mais de 25 anos.

Jorge Curval, presidente do CTAA, afirmou ao NT e à TrofaTv que “é um prazer” dar “a oportunidade aos aficionados de carros e motas antigos de se juntarem e compartilharem ideias”. Perante um “parque de clássicos bonito”, onde salta à vista “a qualidade de restauro” e a “raridade” de alguns exemplares em exposição, Jorge Curval explicou que a iniciativa “é uma forma de homenagear a tradição automobilística da Trofa”. Esta foi, aliás, uma das razões para a constituição da coletividade, há sete anos.

E para manter essa tradição viva, o CTAA está a desenvolver um projeto de modo a divulgar o património automobilístico do concelho no Museu Baptista Andrade, situado em Santiago de Bougado, face à EN 104.

Jorge Curval referiu que “o clube tem um projeto para apresentar à Câmara Municipal, no que diz respeito a tirarmos a maisvalia desse museu”. Acrescentando que a Trofa “tem duas ou três coleções particulares muito boas”, Jorge Curval acrescentou que é necessário ultrapassar “algumas questões legais” para celebrar “uma parceria entre o clube e o proprietário do museu para abri-lo a visitas”. 

O projeto “já existe há cerca de um ano e será apresentado no decurso deste, certamente”, sublinhou. Depois da exposição, as cerca de 150 relíquias seguiram em desfile pelas principais ruas da cidade.

{fcomment}