Um caso de saúde pública está a indignar alguns residentes em S. Mamede do Coronado. De acordo com um texto enviado por um cidadão, publicado na secção “Cidadão Repórter” do Jornal de Notícias Online, na Rua Vale do Coronado, em S. Mamede do Coronado, são despejados para a berma da rua esgotos “a céu aberto”, que se espalham em frente ao Edifício de Villa, um prédio habitacional e de comércio deixando “um cheiro nauseabundo”. O mesmo texto refere que “a situação é reincidente” e que a habitação que faz a descarga se encontra a poucos metros do prédio Edifício de Villa, situando-se mesmo em frente a um posto de combustível. Alguns residentes daquela zona e funcionários de um estabelecimento de comércio do prédio, ouvidos pelo NT, confirmaram o caso, afirmando que a situação se prolonga há mais de um ano. De acordo com as mesmas fontes, as descargas são feitas apenas em dias de chuva.

Por sua vez, a proprietária da habitação em questão, em declarações ao NT, negou o acto de que é acusada, afirmando que desconhecia que era alvo de tal acusação. A proprietária foi ainda mais longe ao referir que “se for para ser incriminada, então também terá de incriminar muita gente”, queixando-se de que à porta da sua casa também passam águas de saneamento. Relativamente a esta situação, a proprietária referiu que se dirigiu à empresa Trofáguas para solicitar caixotes para resíduos sólidos urbanos, aproveitando para apresentar queixa relativamente às águas de saneamento que passam em frente à sua habitação. Reiterando de que é mentira a situação de que é acusada, a proprietária da habitação frisou que paga 10 euros por cada cisterna para esvaziar a fossa céptica da sua habitação.