pres-junta-muro-62 

Muro: Carlos Martins candidata-se pelo CDS-PP para concretizar projectos “de longos anos”

O Notícias da Trofa: O que o leva a candidatar-se à Assembleia de Freguesia?

Carlos Martins: É uma dádiva que eu tenho para com esta freguesia. Foi nesta freguesia que adquiri praticamente toda a minha formação, quer social, espiritual, académica, cultural e profissional. Por isso, sinto ser minha obrigação contribuir com os valores que aqui adquiri.

Gostava que nesta freguesia se mantivessem os principais valores que a têm caracterizado ao longo de largas gerações.

NT: Quais são os projectos que vai apresentar para o mandato?

CM: Alguns dos projectos que apresentarei para este mandato, são alguns já de longos anos: alargamento da via de acesso ao recinto de S. Pantaleão e sua requalificação; alargamento e pavimentação da Rua 1º de Maio que permite o acesso entre Vilares e Gueidãos; a construção das segundas piscinas municipais, bem como o complexo desportivo, pois a nossa freguesia é privilegiada com as redes de comunicação, Metro e EN 14 e 318, podendo servir a parte sul do concelho, nomeadamente Vila do Coronado, Alvarelhos e Guidões; requalificação do cemitério; colocação de sinalização luminosa (semáforos) e controladores de velocidade na EN 14; oferta dos manuais escolares aos alunos do 1º Ciclo, bem como premiar os alunos que se destacarem com aproveitamento “Excelente”; limpeza continua e regular das bermas e jardins; arranque do arranjo urbanístico do terreno público da Agra da Cana (projecto já concluído); apoiar e cooperar com as associações da Freguesia.

NT: Qual é o projecto/área prioritário (a) caso seja eleito?

CM: A construção das segundas piscinas municipais bem como o complexo desportivo, segundo compromisso do actual Presidente da Câmara com esta Junta de Freguesia.

NT: Porque é que os eleitores devem votar em si?

CM: Os Murenses é que terão essa decisão. Existem quatro candidatos com perfis diferentes. Os Murenses terão a oportunidade de avaliar as competências de cada candidato para gerir o destino desta Freguesia.

NT: Considera mais fácil governar sendo a Câmara e a junta do mesmo partido? Porquê?

CM: Penso que muitas vezes não é verdade, porque temos o exemplo concreto do governo que é PS e a Câmara Municipal PSD e foi precisamente neste governo que a obra do Metro arrancou, enquanto que no governo do PSD o Metro ficou suspenso.

Mal da nossa democracia se pensássemos todos da mesma forma. Para tudo, o que é necessário é o diálogo e o compromisso, independentemente da cor, raça, religião ou partido político. Que todos os Murenses tenham o mesmo tratamento e a mesma igualdade de oportunidades.