Reglassbottle nasceu através da reutilização de vidro. André Maia dá uma nova vida a garrafas e transforma-as em travessas com utilidade na restauração.

Uma garrafa colocada num forno a centenas de graus centígrados, durante um determinado período de tempo, deforma-se e adquire a forma plana. À primeira vista, parece que este processo é realizado em vão, mas André Maia viu nele uma oportunidade de negócio.

A Reglassbottle é um projeto que nasceu, há cerca de três meses, com o objetivo de dar uma nova vida a garrafas utilizadas. Depois de ver a primeira peça sair do forno, por iniciativa do pai, André Maia resolveu dar-lhe utilidade. Se algumas terminam o processo de criação quando se tornam planas, outras passam por outras etapas, para tomarem outras formas. É desta forma que são criadas pequenas travessas, com utilidade na restauração, a área que André Maia está a explorar, inicialmente, para dar saída às peças já criadas.

Verdes, azuis, castanhas e brancas. São muitas as tonalidades de peças que a Reglassbottle tem à disposição, mas a variedade depende das garrafas conseguidas através das doações. A recolha é o primeiro passo do processo. André Maia recolhe as garrafas “em cafés e restaurantes da zona da Trofa”, separa-as e lava-as por fora e por dentro, para retirar “impurezas e resíduos”. “Às vezes, as pessoas pensam que eu estou a pegar em lixo, mas não, isto é material reciclável e a minha matéria-prima”, explicou, argumentando que esta é a etapa mais morosa e uma das evidências da sensibilidade ambiental que também sustenta a Reglassbottle. “O custo que tenho a preparar as garrafas é bastante superior àquele que eu teria se comprasse garrafas novas. Mas a ideia é utilizar um produto reciclado, dando mais sentido ao projeto”, sustentou.

Quando estão limpas, as garrafas seguem para o forno, “onde são sujeitas a temperaturas de forma controlada” para atingirem a forma plana e o aspeto cristalino. E daí seguem para o embalamento, uma etapa também “amiga do ambiente”. André Maia prescindiu das embalagens “mais estéticas” de madeira e preferiu fazê-las em cartão canelado, conferindo-lhe também a proteção necessária para o transporte.

De acordo com o destino da peça e com a vontade do cliente, André Maia personaliza as peças, inscrevendo desenhos ou letras, através de jato de areia, respeitando a premissa de espírito ambiental.

Para além da aplicação como travessas, André Maia já tem ideias na algibeira para apresentar brevemente, como na área da decoração.

“A aceitação do projeto tem sido ótima. As peças têm tido um impacto maior do que estávamos à espera. Ainda não é aquilo que desejamos, mas estamos bastante contentes”, confessou André Maia, que avançou que, para já, o mercado é “quase local”. “Primeiro, vamos tentar chegar ao maior número de pessoas possível, expandir a marca e os produtos a nível nacional e depois vemos se temos condições de exportar”, confessou.

As peças podem ser vistas através do site da marca, em http://www.reglassbottle.pt/, ou através do Facebook, em https://www.facebook.com/Reglassbottle.