A assembleia de Santiago de Bougado discutiu a fusão das freguesias e o encerramento da Escola de Cidai, na sessão desta terça-feira.

Depois da ata da assembleia anterior ter sido aprovada por unanimidade, Filipe Portela (PS) interveio para questionar o que o presidente da Junta, António Azevedo, pretende fazer para evitar o desaparecimento da freguesia.

O elemento socialista “”depois de ter lido o livro verde””, documento base do Governo para a Reforma da Administração Local, percebeu que a possibilidade do desaparecimento da freguesia de Santiago de Bougado ““está bem patente””, mas “”existem algumas especificidades que permitem manter a identidade”.” Filipe Portela acredita que “”os bougadenses sentem-se impotentes para lutarem contra uma possível morte anunciada”” e por isso mesmo o partido socialista propôs a realização de uma “”assembleia extraordinária”” para seja dada voz aos bougadenses e todos possam discutir este assunto.

No final da sua intervenção Filipe Portela pediu esclarecimentos ao presidente da Junta sobre o processo para a construção da capela mortuária. António Azevedo respondeu: “”A possibilidade da freguesia desaparecer não é tão real como tu dizes””. O presidente da Junta assegurou que sempre esteve atento a esta questão e que na sua opiniãoe sta reforma autárquica “”não passa de uma proposta””. António Azevedo não é a favor da fusão da freguesia de Santiago com a de S. Martinho, mas caso isso venha a “”ser imposto, vamos ter de aceitar””. Relativamente à questão da capela mortuária o presidente fez saber que ainda está à espera de um parecer por parte da Câmara Municipal sobre os terrenos, mas acredita que este assunto “”está num bom caminho””.

Seguiu-se a apresentação dos projetos levados a cabo pela Junta ao longo dos últimos três meses, destacando-se o pedido feito à autarquia trofense para que colocasse o mini-ringue existente em Bairros dentro do recinto da escola para poder ficar com mais espaço livre na zona envolvente, permitindo assim, no imediato, o aumento do campo de futebol de praia aí existente e construir no futuro um projeto social naquele local.

Ainda no período de apresentação das atividades da freguesia, o encerramento da Escola de Cidai foi considerado pelo presidente da Junta como ““uma grande perda e uma grande desconsideração para com a freguesia” ”e que ““a escola só deveria fechar se os alunos fossem para um lugar melhor”” o que não terá sido o caso pois as escolas da Lagoa e de Bairros não terão as melhores condições para receberem os alunos. António Azevedo acusou mesmo ““este executivo camarário de não estar a dar cumprimento à carta educativa aprovada em Assembleia Municipal””, pois nela estava prevista a construção de uma Escola EB 1/2/3 na freguesia e que tal nunca chegou a acontecer e esse facto tem feito com que a freguesia esteja a perder de dia para dia mais população. “”Não aceitamos que este hábito de desconsideração que a câmara tem para com Santiago de Bougado continue e se acentue””. Para António Azevedo, o município, antes de avançar para a construção e reformulação de outras escolas no concelho, deveria ter avançado com uma nova escola básica integrada em Santiago de Bougado.

Filipe Portela questionou o presidente da Junta para saber quando é que o circuito de manutenção no Souto de Bairro, projeto criado pelos escuteiros de Santiago de Bougado e vencedor do concurso do Orçamento Participativo Jovem da Câmara Municipal da Trofa, será posto em prática. O encerramento da escola de Cidai foi também abordado pelo jovem socialista, questionando o presidente da junta sobre qual o futuro da nova escola de Santiago, pois com o congelamento dos processos das novas escolas pela Parque Escolar “”a probabilidade da construção da mesma avançar é reduzida””.

Catarina Dantas, também do Partido Socialista, fez questão de intervir no assunto do encerramento da Escola de Cidai para sair em defesa da Câmara Municipal, alegando que esta situação foi causada pelo Governo e não pela autarquia. ““Como sabem a escola foi encerrada por não ter 21 alunos, a Câmara não foi tida nem achada neste processo, não recebeu nenhuma informação escrita pelo Ministério da Educação e só soube do encerramento da escola no dia em que foi avançado pela comunicação social, acabando por confirmar isso ao consultar o site do Ministério””. Para Catarina Dantas este encerramento “”se calhar até foi uma mudança positiva”” pois permite que os alunos que estavam em Cidai possam agora ter ““uma aprendizagem e uma socialização muito melhor”” pois estão em salas com alunos da mesma idade e do mesmo ano o que não acontecia na escola que agora encerrou.

E quanto a prioridade que deveria ter a construção de uma nova escola em Santiago em detrimento da reformulação que está em curso em outras escolas do concelho, a socialista acusou António Azevedo de saber bem que este executivo não tem culpa relativamente a essa matéria. “”Os projetos das quatro escolas em execução nesta altura não são da responsabilidade deste executivo, que continuou e levou para a frente estes projetos porque realmente são necessários, mas os projetos são do anterior executivo””. Para a socialista deveria-se ter chamado a atenção ao anterior executivo municipal, pois este “não cumpriu a carta educativa”, uma vez que a“ “prioridade era realmente” ”uma nova escola para Santiago de Bougado.

O presidente da Junta começou por responder a Catarina Dantas dizendo-lhe quando no período da apresentação da atividade referiu a desconsideração da câmara para com a freguesia não se referia apenas a este executivo: “A Câmara sempre teve desconsideração pela freguesia””, informando-a que sabe que os projetos em execução na área escolar não são da responsabilidade deste executivo, porque ““deste não conheço projetos””, acusando ainda o município, de nos últimos dois anos apenas atribuir“ “subsídios a juntas socialistas””.

O presidente respondeu à questões levantadas por Filipe Portela, dizendo que o projeto dos escuteiros será executado em 2012, e que terá a colaboração da Junta. Já quanto à escola de Cidai, para António Azevedo ““há que lutar para que seja feita uma escola integrada em Santiago de Bougado para que os alunos desde o jardim de infância até ao 9º ano de escolaridade não precisem de sair da freguesia””.

Já no período de intervenção do público, Jerónimo Torres usou da palavra para pedir calma aos bougadenses, pois considera que quem deveria estar preocupado com a possibilidade da freguesia vir a desaparecer são os de S.Martinho, uma vez que a sede de concelho fica em Santiago de Bougado. Em tom de brincadeira Jerónimo Torres afirmou mesmo que era preferível “”acabar com o concelho do que com a freguesia””. ““Agarrávamos no brasão do concelho, mobilizávamos as pessoas e levávamo-lo a Lisboa””,frisou. Para este bougadense assim ficariam resolvidos os problemas “”financeiros e a delimitação do concelho””.

O presidente da Junta discordou com a opinião de Jerónimo Torres, relativamente à extinção do concelho, referindo que tem dúvidas ““se outro concelho nos queria com os milhões que se deve” ”e fez questão de deixar claro que aconteça o que acontecer ““Santiago não vai perder a sua identidade””. ““Eu não estou a vê-los fazerem a fusão de Santiago e S. Martinho, mas se tiver de ser passaremos a ser um Bougado grande, e que tenhamos à frente um bougadense muito maior””, afirmou, numa clara alusão ao slogan usado pelos sociais democratas de Santiago, na campanha das eleições autárquicas de 2009.

{fcomment}