Bombeiros da Trofa contemplados com fundos comunitários para a aquisição de um veículo florestal de combate a incêndios.

Está para breve o reforço dos meios dos Bombeiros Voluntários da Trofa. Dos dez milhões de euros de fundos comunitários que foram contratualizados na Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), no dia 20 de julho, algum será canalizado no apoio à aquisição de um veículo florestal de combate a incêndios para a corporação da Trofa. Este equipamento, considerado como “uma necessidade clara”, está orçado em 136 mil euros, dos quais 70 por cento serão comparticipados por fundos comunitários provenientes do QREN (Quadro de Referência Estratégico Nacional).

Trata-se de um veículo que, segundo o comandante dos Bombeiros, João Pedro Goulart, “faz o trabalho de três, ou mesmo quatro, veículos ligeiros”. “Tem uma maior autonomia, eficácia e eficiência em termos de combate. Temos um património florestal que vale a pena proteger e, por isso, este investimento veio mesmo a calhar, até porque os nossos veículos, com o tempo desgastam-se e começam a não garantir a eficácia de combate”, salientou. Para além disso, há que salientar o reforço da segurança dos soldados da paz, “que se deslocam muitas vezes em condições adversas sobre terrenos florestais”.

Pedro Ortiga, presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Trofa (AHBVT) espera que, “no pior cenário”, a viatura chegue à corporação em 2012. Depois da assinatura do contrato de financiamento, as fases para a aquisição da viatura passam por abrir um concurso público para o fornecedor e certificá-la.

Para fazer face aos restantes 30 por cento do valor do investimento, Pedro Ortiga acredita que “também a Câmara Municipal apoiará, no sentido de reforçar também os meios de proteção civil”. A sociedade civil “também terá um papel preponderante” neste apoio, já que, salienta, “o plano de investimentos desta associação não se centra, em exclusivo, na aquisição desta viatura”. Esta candidatura, considerada a maior operação de apoio de fundos comunitários à Proteção Civil na região Norte, surge de um complemento já concedido no verão passado no âmbito do ON.2, para os equipamentos de proteção individual, cuja uma parte já chegou à corporação trofense. Os dez mil euros de fundos próprios foram financiados pela associação, que também tem outro projeto “muito ambicionado”: a renovação da central de comunicações, avaliada em cerca de 50 mil euros.

“Sabemos que as pessoas sabem reconhecer qual é o propósito e vão conseguir facilmente perceber onde será aplicado este dinheiro”, frisou Pedro Ortiga. Recorde-se que a autarquia, aquando da comemoração do 34º aniversário da associação, anunciou a atribuição de um subsídio de dez mil euros para este projeto. No entanto, Pedro Ortiga não deixou de fazer um “apelo” a “todos aqueles que possam contribuir para este projeto”.

A renovação deste equipamento primordial para o bom funcionamento da corporação poderá estar concluída no próximo aniversário da associação, em outubro.

Para João Pedro Goulart, esta renovação resulta na transformação “de uma central que era de comunicações, passou a ser uma central de informação e no futuro será uma central de formação”. “Tem a ver com a análise que nós vamos fazer de todos os dados, com vista a propor soluções e a dar contributos para a própria política de proteção civil ao nível do concelho”.

Com este “forte empenho” da direção da AHBVT, Pedro Ortiga crê que “as pessoas vão distinguir o esforço que está a ser feito num investimento para garantir a segurança da população da Trofa”.

Mas há outras necessidades como a renovação do parque automóvel, nomeadamente, em viaturas de transporte de doentes não urgentes. Segundo Pedro Ortiga, seriam necessários “mais duas ambulâncias”, bem como “obras de readaptação e de implementação de planos de segurança no quartel”.

{fcomment}